Arquivo/Agência Brasil
Arquivo/Agência Brasil

Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Governo vai adotar meta fiscal flexível em 2021 diante de incertezas por coronavírus

Proposta vai constar em projeto que será enviado na próxima quarta ao Congresso; ideia é evitar que gestão fiscal fique amarrada a cenários macroeconômicos incertos

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2020 | 21h30

BRASÍLIA - Com as incertezas provocadas pela pandemia do novo coronavírus, o governo vai adotar em 2021 uma meta fiscal de resultado das contas públicas flexível. O desenho foi feito com uma espécie de “amortecedor” das variáveis econômicas, principalmente do Produto Interno Bruto (PIB).

A proposta vai constar no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021, que será enviado na próxima quarta-feira, 15, ao Congresso Nacional. Essa lei lança os principais parâmetros para a elaboração do Orçamento do ano que vem.

Uma fonte da equipe econômica explicou ao Estado que o governo não pode perder a sua principal referência para a política fiscal, a meta de resultado primário, calculada a partir da projeção de receitas e de despesas.

No entanto, num momento em que não há consenso sobre o ritmo de recuperação da economia após o choque da pandemia do novo coronavírus, a equipe econômica teve que desenhar um modelo que não deixe a gestão fiscal amarrada a cenários macroeconômicos que nem os maiores especialistas conseguem estabelecer com um mínimo de segurança.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, haverá um número de referência para o resultado primário, que deve ser de um déficit de R$ 150 bilhões aproximadamente. Porém, esse número não será relevante como meta. Ele será incluído para que seja possível lançar as bases para a fixação de receitas e despesas.

A intenção do governo, porém, é apresentar atenuantes no texto e no discurso de apresentação da LDO, além de diferentes cenários que indiquem desde já os impactos nas contas em caso de resultados distintos nas variáveis macroeconômicas, sobretudo o PIB.

Nesse mesmo cenário de “referência”, segundo apurou a reportagem, a expectativa para o crescimento do PIB em 2021 deve ser superior a 3%. A avaliação é de que a base mais fraca em 2020 deve proporcionar um resultado melhor no ano que vem. Para este ano, o governo ainda espera oficialmente alta de 0,02%, mas as expectativas do Boletim Focus já apontam retração de 1,96%.

Nos últimos dias, o Banco Mundial divulgou projeção de queda de 5% para o PIB brasileiro este ano, e o Fundo Monetário Internacional (FMI), baixa de 5,3% - resultados que, se confirmados, seriam os piores para o País em 120 anos.

Com tantas incertezas, explicou a fonte da equipe econômica, fixar um número é algo agora muito complicado. Estabelecer uma “banda” de flutuação para a meta também é difícil nesse cenário. “Imagina a largura desta banda para comportar todas estas estimativas”, afirmou a fonte. A avaliação é de que os resultados de 2021 vão depender da arrecadação e também da reação do País e dos brasileiros – se a necessidade de isolamento for maior, ou se a crise de saúde for embora mais rápido.

Segundo outra fonte da área econômica é que escolher uma meta agora seria “muito arriscado”, mas o importante é “não perder a âncora fiscal”. O teto de gastos, mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação, será mantido e seguirá cumprindo seu papel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.