coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Governo vai distribuir colírio contra glaucoma

Pacientes com glaucoma passarão a receber gratuitamente colírios na rede pública para tratar a doença crônica que é a terceira causa de cegueira no Brasil. Para receber o medicamento, as pessoas terão de se credenciar num dos Centros de Referência em Oftalmologia, cuja criação também foi anunciada ontem, e fazer exames para determinar qual o tipo de colírio adequado.O anúncio do tratamento de glaucoma foi feito ontem pelo ministro da Saúde, Barjas Negri, durante uma solenidade na Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), em comemoração ao Dia Nacional de Saúde Ocular e Prevenção da Cegueira. O governo espera atender, inicialmente, 100 mil pessoas, número que deverá ser ampliado gradualmente, com a consolidação do Programa de Assistência aos Portadores de Glaucoma.Segundo Negri, dentro de dois meses deverão estar disponíveis três linhas de colírios para controlar a pessão intraocular desses pacientes. O preço deles no mercado, hoje, é variável: fica entre R$ 10,00 e R$ 40,00. Todos são de uso contínuo.Segundo estimativas do Ministério da Saúde, de 1,5% a 2% da população brasileira com mais de 40 anos são portadores do glaucoma. A doença é incurável e exige tratamento permanente.O programa criado pelo ministério tem por objetivo o diagnóstico precoce e a garantia de acompanhamento do paciente. Nos próximos 12 meses serão investidos R$ 20,4 milhões.ComplexasAlém do programa para o tratamento do glaucoma, o ministro Negri assinou portaria instituindo as Redes de Assistência Oftalmológica, que deverão ampliar o acesso da população a esses serviços. Todos os Estados terão Centros de Referência em Oftalmologia, instalados em hospitais gerais ou especializados, para atender pacientes com necessidades mais complexas. Os centros terão à disposição profissionais, instalações físicas e equipamentos compatíveis com as exigências desse tipo de paciente.Com os colírios para glaucoma, aumenta a lista de remédios disponíveis na rede pública para pessoas com problemas crônicos de saúde. A campanha já inclui hipertensivos, coquetel anti-aids e remédios para pessoas com diabetes..Outra portaria, anunciada ontem, tem por objetivo estimular a captação de córneas e, com isso, reduzir o tempo de espera na fila de transplante. Os bancos de olhos receberão R$ 340,00 por cada córnea recebida. O ministério prevê que a medida permitirá triplicar a captação de córneas num período de dois anos. Se a meta for atingida, o governo desembolsará R$ 3,3 milhões anuais. Hoje, há ainda 17.200 pessoas na fila, à espera de um transplante, mas, segundo Negri, não é por falta de recursos."Nosso problema é a captação de córneas", explicou o ministro.As principais causas de cegueira no Brasil são a catarata e a retinopatia diabética, que já foram alvos de mutirões patrocinados pelo governo. Entre maio de 1999 a fevereiro deste ano, o governo patrocinou 753.078 cirurgias de catarata, praticamente atendendo toda a demanda.

Agencia Estado,

10 de maio de 2002 | 09h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.