Ernesto Rodrigues/ Estadão
Ernesto Rodrigues/ Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo vai liberar R$ 592,4 milhões em novas emendas parlamentares

Repasses a Estados e municípios seria feito ao longo do ano, mas o Ministério da Economia fará a transferência única para ajudar durante a crise provocada pela pandemia

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2020 | 10h40

BRASÍLIA - O governo federal vai pagar de uma vez só R$ 592,4 milhões em recursos sem “carimbo” destinados por emendas parlamentares a Estados e municípios. Os repasses seriam feitos ao longo do ano, mas o Ministério da Economia fará a transferência única como forma de ajuda durante a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. O dinheiro cai na conta dos governos regionais na próxima segunda-feira, 29.

As chamadas transferências especiais foram criadas pelo Congresso Nacional no ano passado e são recursos destinados por emendas individuais sem destinação específica. O governador ou prefeito recebe esse dinheiro e pode gastar como entender ser mais adequado, desde que respeite a regra de aplicação mínima de 70% para investimentos. É proibido o uso dos valores para bancar salários ou outras vantagens a servidores ativos ou aposentados.

Os recursos poderão ser usados inclusive para adquirir equipamentos para a área de saúde ou abrir novos leitos em hospitais.

Segundo dados do Ministério da Economia, serão contemplados 14 Estados e 1,5 mil municípios. Embora não escolham o tipo de despesa, são os parlamentares que definem quais localidades receberão o dinheiro.

Nas últimas semanas, governadores e prefeitos entraram no radar de investigações da Polícia Federal por suspeitas de superfaturamento na compra de equipamentos hospitalares. Durante a tramitação da emenda constitucional que criou esse tipo de transferência “sem carimbo”, órgãos de controle manifestaram preocupação com a possibilidade de a União acabar passando um “cheque em branco” para os governos regionais.

O secretário de Gestão do Ministério da Economia, Cristiano Heckert, rebate as críticas e ressalta que todos os requisitos de transparência precisarão ser cumpridos pelos Estados e municípios contemplados pelas emendas.

O órgão lançou um painel virtual para que tanto parlamentares quanto a sociedade e órgãos de controle possam acompanhar a execução das despesas e conferir se o dinheiro está sendo destinado corretamente.

A transferência dos R$ 592,4 milhões representa aproximadamente 13% dos R$ 4,5 bilhões em emendas individuais de livre destinação pelos congressistas - outros R$ 4,5 bilhões precisam ser necessariamente alocados em ações de saúde.

Segundo Heckert, é possível que esse valor aumente ao longo do ano, caso alguma emenda parlamentar com endereço definido acabe não sendo executada. O secretário explica que há algumas “janelas” na lei orçamentária que permitem o remanejamento dessas emendas. Por isso, novas transferências de dinheiro livre poderão ser feitas nos próximos meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.