Governo vai mudar sistema monetarista, diz Furlan

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Luiz Fernando Furlan, disse hoje que, com as medidas desenvolvimentistas a serem anunciadas na segunda quinzena deste mês, o governo vai deixar o monetarismo estrito seguido até agora. "O presidente Lula não foi eleito para fazer o aperto fiscal. O aperto fiscal foi uma fase necessária", disse o ministro, já em Portugal, onde se encontra para participar da visita de Estado do presidente brasileiro. Furlan considera que o lançamento do pacote desenvolvimentista será uma mudança de etapa do governo: "É o reconhecimento de que a fase de ajustes foi bem sucedida. Trata-se do desenvolvimento natural desta, para criar empregos e estimular a economia".Para Furlan, não será uma ruptura com os primeiros seis meses do governo: "As iniciativas são o caminho natural do que está sendo realizado. Como diz o ministro Palocci, temos que nos preocupar com a fase pós-estabilização". Ele contou que o presidente vai promover uma reunião do ministério na volta ao Brasil, para avançar com as propostas. Furlan não relatou as medidas, mas adiantou: "Os investimentos estão espalhados num grande número de ministérios. O presidente quer que essas iniciativas aflorem num prazo curto, para que possam ser objeto de implementação". O ministro disse que as propostas começaram a ser elaboradas há cerca de um mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.