Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Governo vai revisar para baixo projeção de alta do PIB em 2017, diz Meirelles

Número deve ser apresentado na semana que vem e mostrar uma estimativa abaixo da atual, de crescimento de 1,6%

Altamiro Silva Junior, correspondente, O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2016 | 17h44

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o governo está revisando a perspectiva de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para o Brasil em 2017. Os novos números devem ser anunciados na semana que vem, mas a expectativa é que alta fique menor do que a expansão de 1,6% inicialmente prevista pelo governo.

Meirelles fez uma palestra durante almoço do Bradesco BBI em Nova York, que reuniu 400 investidores, gestores e analistas de 80 empresas e 150 casas financeiras.

No evento, Meirelles disse que a trajetória da dívida pública brasileira está em alta e, sem um ajuste fiscal, atingiria patamar muito elevado e insustentável. O ministro destacou que mais de 75% dos gastos públicos são atrelados à Constituição e que no governo anterior não havia ambiente político para o ajuste e agora existe. "O governo está disposto e o ambiente é viável", afirmou ele.

"Agora é o momento certo para ajuste fiscal e governo tem apoio", disse ele, destacando que a medida que estabelece um teto para o aumento do gasto público foi aprovada com margem confortável na Câmara e a expectativa é que o mesmo ocorra em votação no Senado, prevista para a semana que vem. O ministro destacou ainda que a inflação está voltando para a meta do Banco Central.

"As medidas propostas pelo governo já levaram à melhora da confiança", ressaltou Meirelles. A previsão do governo é que dívida pública deve atingir pico em 2020 e em seguida retornar a uma trajetória sustentável, disse o ministro. Meirelles destacou que o atual déficit da conta corrente não é mais uma preocupação no Brasil e que os fluxos de investimento externo direto têm sido consistentes para o País.

Previdência. Meirelles disse que o governo deve apresentar a reforma da previdência no Congresso ainda este ano e prepara uma estratégia de comunicação das medidas para a população. Segundo o ministro, um grupo de trabalho foi criado para discutir essa estratégia.

"Estamos vendo chances bastante altas de medidas fiscais serem aprovadas", disse. No evento, Meirelles ressaltou que o governo está comprometido em reduzir o papel do Estado na economia e as reformas estruturais vão ajudar a melhorar a produtividade e a competitividade na economia brasileira.

As agências regulatórias vão ser reforçadas, assim como as estatais, destacou Meirelles, ressaltando que as empresas públicas estão reforçando a gestão e a governança. "O governo está tomando medidas necessárias para consolidar economia, como reflexo, fundamentos da economia tiveram melhora significativa nos últimos meses." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.