DANIEL TEIXEIRA
DANIEL TEIXEIRA

Governo vai vender folha de pagamento e deve arrecadar R$ 1 bilhão

A partir de 2016, os bancos terão de pagar ao Tesouro Nacional para ter a conta dos servidores

Adriana Fernandes e Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2015 | 21h31

Texto atualizado em 03/12/2015 às 14h45

BRASÍLIA - O Ministério do Planejamento publicou nesta quarta-feira, 2, o edital de venda da folha de pagamento do servidores da União. A partir de fevereiro de 2016, os bancos terão de pagar ao Tesouro Nacional para ter a conta na qual será depositado o salário de 1,37 milhão de servidores públicos civis ativos, inativos pensionistas, estagiários do Executivo e anistiados políticos.

O governo espera arrecadar R$ 949 milhões por ano com a venda da folha. O dinheiro servirá para reforçar a arrecadação do governo federal e o superávit primário das contas públicas no ano que vem.

A venda da folha não será feita na modalidade tradicional de leilão, mas pela forma de credenciamento das instituições financeiras. Nesse modelo, um banco não fica sozinho com a administração de todas as contas.

Pelas regras do edital, o servidor continua com a opção que já existe hoje de escolher o banco que quiser receber o salário. Por outro lado, os bancos que se credenciarem no processo de venda da folha terão de pagar 1,03% do valor líquido depositado pela União em cada conta de servidores.

Levando-se em conta a remuneração média dos servidores de R$ 5.499,00, o valor a ser pago pelos bancos será de R$ 54,04 por mês. Hoje, o Banco do Brasil detém 70% das contas dos servidores da União. A Caixa Econômica Federal tem 18%, e os 12% restantes das contas, que são na maior parte de servidores com remuneração mais elevada, estão espalhadas entre outros bancos.

Os bancos terão um mês para fazerem o credenciamento. A assinatura do contrato ocorrerá em 29 de janeiro. Os bancos deverão fazer o pagamento mensal já a partir de fevereiro. Os contratos terão prazo de até 60 meses, renováveis a cada 12 meses.

A área técnica do Ministério do Planejamento espera que todos os bancos que já têm conta de servidores participem do processo de credenciamento para não perderem os clientes.

Os valores mensais da folha são diferentes. A folha de agosto, por exemplo, pagou R$ 7,645 bilhões de salários. O governo optou pela modalidade de credenciamento em razão das dificuldades de atender os servidores da União espalhados por todo o País. Numa segunda fase, o governo pretende abrir nos órgãos públicos espaço para agências dos bancos, inclusive privados. Hoje, esses locais são dominados pela Caixa e pelo BB.

Mecanismo. A venda da folha foi antecipada pelo Estado. Desde o início de discussão, os bancos queriam que o governo adotasse um sistema semelhante ao das Forças Armadas, pelo qual remuneram mensalmente por cliente que mantiveram, de fato, a conta no banco, em vez de pagar antecipadamente pela gestão da folha. A avaliação é de que o modelo pode ampliar a competição bancária e respeita a liberdade de escolha do servidor.

Além disso, segundo um executivo, os bancos evitam desembolsar de uma vez só um valor elevado pelo direito de gerenciar as contas sem a garantia de que os clientes continuarão fiéis, pelo prazo do contrato, à instituição.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.