Governo vê comportamento 'benigno' da inflação

Para secretário de Política Econômica, IPCA de 0,01% no mês passado 'reforça a avaliação de que a inflação está sob controle' e ficará abaixo dos 6,5% no ano

RENATA VERÍSSIMO, LAÍS ALEGRETTI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2014 | 02h03

Muito comemorado pelo governo, o resultado quase zero do IPCA em julho reforçou a percepção oficial sobre um comportamento "mais benigno" da inflação no segundo semestre deste ano.

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, disse ontem que o índice de 0,01% no mês passado "só reforça a avaliação de que a inflação está sob controle" e garantiu que a taxa encerrará 2014 dentro do teto da meta de 6,5% ao ano estabelecida pelo governo.

Em tom otimista, o secretário destacou que o IPCA veio "bem melhor" do que previam os analistas e "talvez" o mercado tenha de rever suas projeções para 2014: "Grande parte do mercado já trabalhava com inflação dentro da meta para este ano. Então, eu imagino que talvez o mercado venha a reavaliar ainda mais pra baixo suas previsões de inflação pra fechar o ano". Os economistas consultados pelo boletim Focus, do Banco Central, apostavam, na semana passada, em um IPCA de 6,39% neste ano.

O governo também espera que o recuo no índice de preços melhore a confiança na economia, o que ajudaria a dar ritmo ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). "Esse comportamento mais benigno reforça a nossa avaliação de que haveria uma melhora adicional da confiança dos consumidores no segundo semestre e, com isso, um melhor desempenho da economia', disse Holland.

O bom desempenho da inflação em julho foi anunciado em um dia de instabilidade no mercado cambial. O dólar ameaçou um movimento de alta, chegando a superar os R$ 2,30 no meio da manhã. O secretário, no entanto, afirmou que a transferência da variação do câmbio para a inflação tem sido "muito baixa" no Brasil. "Essa relação não é direta e linear, e não necessariamente imediata." Para ele, não há clareza ou precisão sobre a relação entre câmbio e inflação.

Holland disse, ainda, que a inflação mais baixa mostra o resultado da política econômica colocada em prática pelo governo desde meados do ano passado. "Ela (a inflação) vem caindo há quatro meses seguidos, mesmo com o aumento da energia." O secretário afirmou também que outros itens importantes para a cesta de consumo, como transporte, comunicação, vestuário também apresentam queda, além de alimentação e bebidas. "São resultados importantes principalmente para famílias de menor renda."

O secretário afirmou que alguns itens que tiveram alta temporária por causa da Copa, como passagens de avião e hotéis, também já recuaram. Ele espera, agora, uma queda dos preços no atacado. "Há expectativa, pela FGV, de haver mais queda nos índices no atacado na próxima divulgação. O que, provavelmente, levaria a mais repasse de queda de preços do atacado."

"Mesmo que a inflação venha a ter um comportamento de alta em relação a julho, esperamos um comportamento bem benigno da inflação do que no segundo semestre do ano passado", disse Holland.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.