Governo vê pressão da Queiroz Galvão

A Queiroz Galvão vai negociar nos próximos dias uma forma de garantir maior participação na construção da hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu (PA). O anúncio da possível saída da empresa do consórcio que venceu o leilão anteontem foi entendido pelo governo apenas como um sinal de pressão da construtora para assegurar uma parcela significativa da obra em suas mãos.

AE, Agencia Estado

22 de abril de 2010 | 08h21

O Palácio do Planalto foi avisado sobre a ameaça da Queiroz Galvão logo após o encerramento do leilão. Coube ao ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmerman, discutir o assunto com a ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, que participou ativamente das negociações que garantiram a formação do consórcio que arrematou a usina, apesar do favoritismo do grupo liderado por Andrade Gutierrez.

"Eles estão querendo mais participação na área de construção", disse uma fonte do governo. "Os sócios vão conversar e ver o que a empresa quer." A preocupação da Queiroz Galvão é ficar apenas com o risco do projeto - porque detém 10,02% do grupo que irá administrar a usina - e perder para as concorrentes Camargo Corrêa e Odebrecht parcela significativa do contrato de construção efetiva da hidrelétrica, que será a terceira maior do mundo.

Oficialmente, a Queiroz Galvão não fez comentários sobre a possibilidade de desistência, que foi divulgada pelo presidente do consórcio, José Ailton de Lima, que também é diretor de engenharia e construção da Chesf, subsidiária da Eletrobrás que liderou o grupo vencedor. A possibilidade da Queiroz abocanhar uma parcela significativa da construção é remota. Segundo fonte do setor, desde o início da formação do consórcio Norte Energia, já estava certo que a construção da usina seria repartida entre grandes construtoras para diminuir o custo da obra. "A ideia de deixar para a Queiroz uma parcela gigantesca do projeto é um sonho de uma noite de verão", disse a fonte. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.