Governo vê pressão da Queiroz Galvão

Anúncio da possível saída da obra de Belo Monte foi, na visão do governo, uma pressão para evitar avanço de outras empreiteiras

Renato Andrade, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

A Queiroz Galvão vai negociar nos próximos dias uma forma de garantir maior participação na construção da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA). O anúncio da possível saída da empresa do consórcio que venceu o leilão anteontem foi entendido pelo governo apenas como um sinal de pressão da construtora para assegurar uma parcela significativa da obra em suas mãos.

O Palácio do Planalto foi avisado sobre a ameaça da Queiroz Galvão logo após o encerramento do leilão. Coube ao ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmerman, discutir o assunto com a ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, que participou ativamente das negociações que garantiram a formação do consórcio que arrematou a usina, apesar do favoritismo do grupo liderado por Andrade Gutierrez.

"Eles estão querendo mais participação na área de construção", disse uma fonte do governo. "Os sócios vão conversar e ver o que a empresa quer." A preocupação da Queiroz Galvão é ficar apenas com o risco do projeto - porque detém 10,02% do grupo que irá administrar a usina - e perder para as concorrentes Camargo Corrêa e Odebrecht parcela significativa do contrato de construção efetiva da hidrelétrica, que será a terceira maior do mundo.

Oficialmente, a Queiroz Galvão não fez comentários sobre a possibilidade de desistência, que foi divulgada pelo presidente do consórcio, José Ailton de Lima, que também é diretor de engenharia e construção da Chesf, subsidiária da Eletrobrás que liderou o grupo vencedor.

A possibilidade da Queiroz abocanhar uma parcela significativa da construção é remota. Segundo fonte do setor, desde o início da formação do consórcio Norte Energia, já estava certo que a construção da usina seria repartida entre grandes construtoras para diminuir o custo da obra. "A ideia de deixar para a Queiroz uma parcela gigantesca do projeto é um sonho de uma noite de verão", disse a fonte.

Malucelli fica. Os boatos sobre a saída da J. Malucelli Construtora foram negados pela direção da empresa. "O grupo nega os rumores de que não teria interesse em continuar no consórcio vencedor para a construção de Belo Monte", afirmou a companhia em nota divulgada ontem. A empresa informou que ficou "satisfeita" com o resultado do leilão e que "não tem a intenção de sair do projeto".

Autoprodutores. As negociações para a inclusão dos chamados autoprodutores no consórcio serão intensificadas ainda esta semana. A CSN e Gerdau são os candidatos mais prováveis para ingressar no grupo.

Os autoprodutores entram como sócias da usina para garantir a energia consumida em suas fábricas. / COLABOROU CHRISTIANE SAMARCO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.