Governo volta a cobrar IOF de CDBs no curto prazo

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) voltará a ser cobrado para aplicações de até 30 dias em renda fixa, inclusive em Certificados de Depósitos Bancários (CDBs). Decreto publicado hoje no Diário Oficial da União retoma a cobrança de IOF para essas aplicações, que era feita até o dia 31 de dezembro.

ADRIANA FERNANDES E RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

24 de maio de 2011 | 13h17

Em janeiro, o governo havia isentado a cobrança de IOF para as operações de curto prazo de títulos privados, permanecendo a cobrança apenas para os títulos públicos. Mas agora o governo voltou atrás e passará a cobrar o IOF para aplicações de curto de prazo de títulos privados.

Exceções

Foi feita uma exceção para o caso das aplicações de curto prazo (até 30 dias) em debêntures, letras financeiras e certificados de recebíveis imobiliários. A alíquota do IOF já era de zero e permanecerá neste nível no caso de aplicação em certificados de direitos creditórios do agronegócio (CDCA), letras do crédito do agronegócio (LCA) e certificados de recebíveis do agronegócio (CRA).

A chefe de divisão de tributação do mercado financeiro da Receita Federal, Maria da Consolação Silva, explicou que o governo adotou esta medida - a volta da cobrança do IOF para títulos privados de curto prazo - porque não quer a migração dos depósitos à vista para depósito a prazo.

Tudo o que sabemos sobre:
medidaReceitaIOFCDBs

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.