Governo zera IOF em empréstimo externo

Objetivo é ampliar oferta de moeda estrangeira, diz Ministério da Fazenda

Fabio Graner, de O Estado de S.Paulo,

23 de outubro de 2008 | 02h38

Diante da crise de liquidez internacional, o governo lançou mão de mais uma medida para diminuir os efeitos da turbulência sobre a economia. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou decreto reduzindo a zero a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) nas operações de câmbio relativas a empréstimos externos e de aplicações de recursos nos mercados financeiro e de capitais. Veja também:Dólar salta mais de 6% com pessimismo de mercados globaisGoverno autoriza estatização de instituições privadas no PaísÍntegra da MP no Diário Oficial  Pacote para construção civil envolverá BNDES e CaixaConheça outro caso de intervenção do governo em construtorasConsultor responde a dúvidas sobre crise  Como o mundo reage à crise  A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise   "A medida tem como objetivo estimular a ampliação da oferta de moeda estrangeira, no atual contexto de forte retração das linhas de crédito internacionais", disse o Ministério da Fazenda em nota à imprensa. O IOF incidente sobre as operações de câmbio vinculadas as aplicações de investidores estrangeiros no Brasil atualmente é de 1,5% e nas de empréstimos externos é de 0,38%. A medida não atinge as operações em Bolsas que já têm alíquota zero para o tributo. O decreto é o terceiro ato assinado pelo presidente Lula, nos últimos dias, para tentar diminuir o estrago da crise econômica internacional e dar mais liquidez ao mercado financeiro. Outras medidas, se necessárias, ainda poderão ser adotadas, segundo fontes do governo.Como se trata de um decreto, não será necessária apreciação do Congresso. A redução do IOF para o capital estrangeiro vem na seqüência da edição das MP 442, que autorizou o Banco Central a comprar carteiras de bancos pequenos, e 443, esta mais polêmica e que autorizou o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal a comprarem ações em instituições privadas. Com o IOF zero para operações externas de financiamento ou de investimento estrangeiro no Brasil, o governo tenta pelo menos baratear o acesso aos recursos que sobraram no sistema financeiro internacional. A escassez de fontes de financiamento externo tem causado problemas de liquidez em bancos brasileiros, especialmente os de pequeno e médio porte. No início do ano, o governo elevou o IOF para uma série de operações financeiras - sobretudo, de crédito interno para pessoas físicas, mas também de operações cambiais - com o objetivo de compensar a perda de receitas decorrente do fim da CPMF. A Fazenda não divulgou estimativa de perda de receitas com a nova desoneração. Colaborou Tânia Monteiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.