GP tem US$ 150 milhões para investir em hotéis

Compra dos Hotéis Luxor, do Rio de Janeiro, é o primeiro negócio fechado no setor pela administradora de fundos de investimentos

Márcio Anaya, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2007 | 00h00

A GP Investimentos, empresa especializada em investimentos em empresas, pretende aplicar US$ 150 milhões em hotéis, flats e apart-hotéis. Também poderá comprar empresas que administram ou tenham participações em hotéis, no Brasil ou em outros países da América Latina.O investimento será feito com os recursos do fundo mais recente captado pelo GP, o GP Capital Partners IV, que tem US$ 1,3 bilhão para aplicar. O primeiro negócio em hotelaria também foi anunciado ontem: a GP comprou a Hotéis Luxor, dona do Luxor Regente e Luxor Continental, além de ter uma participação de 25% no Hotel Luxor Copacabana, todos eles situados no Rio de Janeiro.Os empreendimentos comprados pela GP Investimentos serão reunidos sob a sigla LAHotels. Segundo um comunicado da empresa, a transação deve ser concluída ao final de janeiro de 2008, "após o cumprimento de certas condições." Os valores do negócios não foram divulgados. No comunicado, a GP disse que a LAHotels é uma oportunidade para consolidar o mercado hoteleiro do Brasil e se beneficiar do setor de hotelaria, "que tem demonstrado forte crescimento". É a primeira vez que a GP investe em hotéis.Segundo o comunicado, "além do ambiente macroeconômico favorável (queda das taxas de juros, moeda estável e acesso facilitado a linhas de financiamento), o ganho de eficiência operacional nas propriedades que serão adquiridas e a compressão das taxas de capitalização serão elementos importantes no retorno do investimento no longo prazo".A se julgar pelo padrão de investimentos da GP, a empresa deve comprar outros hotéis, reuni-los na LAHotels e, possivelmente, negociar a empresa na Bolsa. Em entrevista recente, um dos presidentes da GP Investimentos, Fersen Lambranho, disse que seu quarto fundo de investimentos deve aplicar, em média, US$ 250 milhões em cada negócio.Esse fundo já fez algumas aquisições de peso. Além de ter comprado a empresa especializada em prospecção de petróleo Pride International por US$ 1 bilhão, também levou a Magnesita, maior fornecedora de tijolos refratários para usinas siderúrgicas brasileiras, por US$ 670 milhões. Recentemente, a GP também levantou US$ 149 milhões com investidores para reforçar sua aposta na BR Properties, uma empresa especializada em imóveis comerciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.