Grã-Bretanha e Brasil lançam declaração conjunta sobre OMC

O presidente Luiz Inácio Lula daSilva e o primeiro-ministro britânico Gordon Brown seencontraram na quarta-feira na cúpula do G8 no Japão ediscutiram a rodada Doha da Organização Mundial do Comércio(OMC). Autoridades importantes do comércio dos Estados Unidos,Europa, Índia, Brasil e outros membros da OMC vão se encontrarem Genebra na semana do dia 20 de julho para tentar fechar umacordo sobre a questão. O Brasil é considerado um país-chave para o desenlace daquestão e Brown tem pressionado por uma sinalização políticaforte antes das negociações conclusivas. Brown e Lula lançaram uma declaração conjunta após oencontro que diz o seguinte: "Como duas das maiores nações comerciais do mundo, aGrã-Bretanha e o Brasil estão juntos na crença de que umambiente comercial aberto e global trará prosperidade para aspessoas no mundo e ajudará a tirar milhões da pobreza.Acreditamos fortemente que, em tempos de incerteza econômica ealtos preços dos alimentos, devemos abrir os mercados eaumentar as trocas comerciais, em vez de fechar-nos noprotecionismo". "Depois de meses de trabalho árduo e negociaçõesdetalhadas, estamos mais próximos do que nunca de um acordo.Mas a janela da oportunidade para tal acordo é pequena e jáestá se fechando. A hora de fazer negociações técnicas estáchegando ao fim. As decisões-chave agora são políticas.Precisamos agir de forma definitiva agora", acrescentou ocomunicado. "Se não fizermos isso, então falharemos com os pobres nomundo todo e destruiremos a melhor base para o crescimentoeconômico contínuo no futuro. O custo do fracasso ésimplesmente muito grande. A administração da OMC convocou, pormeio do secretário-geral, uma reunião geral no dia 21 de julho,que oferece a nós a oportunidade de chegar a um acordo sobre oselementos básicos de um pacote ao mesmo tempo equilibrado evoltado para o crescimento. Não vamos perder isso".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.