Graça Foster diz que retomar produção ‘é questão de meses’

Presidente da Petrobrás lembrou nesta quarta-feira que está sendo finalizada a construção de cinco plataformas

Sabruna Valle, da Agência Estado,

05 de junho de 2013 | 16h05

A presidente da Petrobrás, Graça Foster, disse nesta quarta-feira que a retomada da produção da estatal "é só uma questão de meses". Graça lembrou que está sendo finalizada a construção das plataformas P-55, P-58, P-62 e P-61 e P-63. Esta última, disse, "está prontíssima, no prazo", passando pelos últimos trabalhos, mas apta para ser deslocada do estaleiro.

O comentário foi feito em cerimônia em Araucária (PR) para empossar o novo diretor industrial da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), comprada da Vale. Ela agradeceu ao presidente da Vale, Murilo Vieira, pela colaboração. "(A unidade) volta às mãos da Petrobrás de onde, com todo respeito à Vale, nunca deveria ter saído."

Comperj. Graça anunciou um atraso de mais de um ano para a entrada do primeiro trem (unidade de refino) do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), agora previsto para agosto de 2016. A refinaria passou por vários adiamentos. O último prazo era abril de 2015. Quando o Comperj foi projetado, em 2006, a Petrobrás anunciou que a refinaria funcionaria em 2011. Depois, adiou para 2012. Em seguida, para 2013. Mais tarde, para 2014. Depois, para 2015 e agora, 2016. De acordo com a presidente da Petrobrás, o atraso foi necessário por causa de mudanças no projeto. "(Tivemos de) mudar muito o projeto inicial", disse

Ureia. O diretor de Gás e Energia da Petrobrás, Alcides Santoro, afirmou nesta quarta-feira que, com a compra da Fafen-PR, a estatal passa a deter 35% do mercado de ureia do Brasil, o equivalente a uma produção de 1,8 milhão de toneladas por ano. A Fafen-PR foi comprada da Vale pela Petrobrás e passou a integrar o portfólio da petroleira no sábado, 1. De acordo com Santoro, a aquisição mostra a importância da área de fertilizantes para a empresa. "Cada vez mais, a Petrobrás está investindo, é uma área estratégica para nós", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrasretomadapetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.