Divulgação
Divulgação

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Graça Foster é eleita uma das pessoas mais influentes do mundo

Primeira mulher a comandar a Petrobrás, a executiva foi lembrada em ranking da revista ‘Time’, que também inclui a presidente Dilma Roussef e o empresário Eike Batista 

Sergio Torres, da Agência Estado, e estadão.com.br,

18 de abril de 2012 | 11h04

RIO - A revista norte-americana Time apontou a presidente da Petrobrás, Graça Foster, como uma das cem pessoas mais influentes do mundo. Além da executiva, o ranking elegeu outros dois representantes brasileiros: a presidente Dilma Rousseff e o bilionário Eike Batista. Atualizado todos os anos, o ranking da publicação é dividido em categorias que englobam artistas, pesquisadores, empresários, ativistas políticos e chefes de Estado.

Graça assumiu a presidência da petroleira em fevereiro deste ano. É a primeira mulher a comandar a empresa. Engenheira química, ela é funcionária concursada da Petrobrás, onde ingressou há 32 anos.

Assinada pelo prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, a reportagem sobre Eike chama o empresário de "filho adotivo" do Rio e o destaca como um dos responsáveis pelo "renascimento" da capital fluminense.

A lista também lembrou de alguns dos porta-vozes da crise financeira atual, como o novo primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, a chanceler alemã, Angela Merkel, e a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

Citando o contexto da crise econômica na Europa, a revista afirma que "o poder de Merkel cresce a um nível quase sem precedentes na política europeia moderna".

O perfil de Monti afirma que o premiê "carrega em seus ombros o destino do continente (europeu)". Já a descrição de Lagarde, assinado pelo economista Nouriel Roubini, exalta que a diretora-gerente do FMI é a pessoa mais qualificada na Europa para assumir o posto.

Tudo o que sabemos sobre:
Graça FosterPetrobrásTime

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.