Gradiente volta ao mercado reestruturada

Cinco anos após entrar em crise financeira, empresa que chegou a deter 15% do mercado de áudio e vídeo no País ganha novo quadro de sócios

Márcia De Chiara, de O Estado de S.Paulo,

26 de abril de 2011 | 23h00

Depois de quatro anos fora do mercado, a quase cinquentenária marca nacional de eletroeletrônicos Gradiente planeja voltar para o varejo no último trimestre deste ano.

"No começo parecia tarefa difícil, e durante, também", disse ontem Eugênio Staub, de 70 anos de idade, o fundador da companhia que se encontra em recuperação extrajudicial desde 2006, ao anunciar a conclusão do processo de reestruturação da empresa e de renegociação das dívidas. Entre bancos, fornecedores e fisco, a empresa contabiliza atualmente um passivo de R$ 520 milhões.

A antiga Gradiente, que detinha cerca de 15% do mercado brasileiro de áudio e vídeo há cinco anos, quando entrou em crise financeira, reaparece repaginada no País. Agora, a empresa é formada por quatro investidores - três ligados a empresas públicas e um parceiro privado -, sob a denominação CBTD.

O negócio recebeu aportes da Agência de Fomento do Estado do Amazonas, da Petros (fundo de pensão dos empregados da Petrobrás), da Funcef (fundo de previdência dos funcionários da Caixa) e da empresa americana Jabil, fabricante de eletroeletrônicos. A Jabil está no País desde 2001, produzindo para outras marcas do setor.

Juntos, os quatro investidores vão aplicar R$ 68 milhões na companhia, com aporte de R$ 17 milhões cada. Com isso, ficarão com 60% da CBTD. Os 40% restantes, de acordo com Staub, presidente do conselho de administração da nova empresa, ficarão divididos entre a família Staub, controladora da antiga Gradiente, e os cerca de 2 mil acionistas minoritários.

Eugênio Staub Filho, um dos negociadores da reestruturação e membro do conselho da nova empresa, explicou que a família Staub e os minoritários entraram no negócio sem aporte de capital. A contribuição foi o arrendamento da marca, avaliada em US$ 223 milhões, da fábrica e de outros ativos por nove anos para a nova companhia. A receita do novo negócio será usada para quitar dívidas, também renegociadas por nove anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.