Gradualismo não é falta de flexibilidade, diz Meirelles

Reforçando o discurso da última semana, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou hoje que o grande desafio deste governo é criar condições para um crescimento sustentado. Ele descartou "arrancadas e paradas", que caracterizaram os crescimentos elevados, porém curtos, no Brasil em passado recente. O presidente do BC enfatizou ainda a necessidade do investimento para a superação de gargalos que ainda impedem a obtenção de taxas altas de crescimento. Neste sentido, defendeu o desenvolvimento do mercado de capitais como uma condição necessária. Meirelles disse que não existem mágicas neste esforço destinado ao crescimento e que não há "malabarismos nem piruetas" para resolver os problemas domésticos. "O Banco Central usa as suas informações da melhor maneira possível. O gradualismo não configura rigidez nem falta de flexibilidade", disse o presidente do BC. Ele sublinhou os avanços do governo na área fiscal e nas reformas estruturais e aconselhou aos presentes que não tenham ansiedade em relação ao processo normal das negociações parlamentares. Meirelles enfatizou que houve melhora no perfil da dívida mobiliária federal, com expressiva redução da participação atrelada ao câmbio, e isso permitirá ao setor público tomar menos recursos do setor privado. Meirelles fez estas observações em discurso na posse da nova diretoria da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid).

Agencia Estado,

18 de agosto de 2003 | 15h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.