Grande ABC quer resgatar papel na indústria automotiva

Os sete municípios paulistas que compõem a região do Grande ABC (Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul) querem voltar a ser protagonistas da indústria automotiva no Brasil, que nos últimos anos cedeu espaço ao interior de São Paulo e cidades do Paraná e do Rio Grande do Sul.

MICHELLY TEIXEIRA, Agencia Estado

05 de junho de 2009 | 10h56

Para isso, as prefeituras destas cidades, em parceria com entidades sindicais, criam hoje o GT (grupo de trabalho) Automotivo, que conduzirá discussões sobre como dinamizar a participação da região na cadeia automotiva e atrair novos participantes a esta indústria. A ideia do grupo temático é reunir técnicos e representantes de cada um dos municípios para mapear as demandas, elaborar projetos e encaminhar propostas de políticas públicas de caráter regional.

A primeira reunião do grupo conta com a presença, entre outros, do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Miguel Jorge, e do presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Jackson Schneider. O anfitrião do encontro é o prefeito de São Bernardo e coordenador do GT, Luiz Marinho.

O GT Automotivo é um dos resultados do seminário "O ABC do Diálogo e do Desenvolvimento", realizado pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC em março deste ano em conjunto com empresários, trabalhadores e governo.

Tudo o que sabemos sobre:
indústria autmotivaGrande ABCAnfavea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.