Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Grandes lojas fazem maratona de vendas

Super Casas Bahia e unidades do Extra viram a noite abertas neste fim de semana para atender a clientes

Márcia De Chiara, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2008 | 00h00

O comércio volta a apelar para o funcionamento ininterrupto das lojas na véspera do Natal para ao menos conseguir repetir neste ano o faturamento de 2007 - o melhor dezembro da década. Duas grandes redes varejistas, a Super Casas Bahia de São Paulo e a rede Extra, do Grupo Pão de Açúcar, e um shopping, o Internacional de Guarulhos, decidiram entrar na maratona das lojas abertas dia e noite neste fim de semana.A partir de hoje, às 10h, até às 24h de amanhã, a Super Casas Bahia, instalada no Parque de Exposições do Anhembi, estará aberta ao consumidor. Ao todo serão 38 horas seguidas de funcionamento. A empresa não revela expectativa de vendas nem de público e considera a iniciativa como mais uma prestação de serviço ao consumidor. Ocorre, no entanto, que o transporte gratuito que a rede disponibiliza normalmente aos clientes até a superloja não estará funcionando na madrugada.De olho no consumidor notívago, que passa a noite na internet, a rede pela primeira vez irá fazer anúncios em dois sites durante a madrugada deste fim de semana. A empresa diz que as promoções anunciadas na rede mundial de computadores serão voltadas para produtos mais sofisticados.O Extra é outra rede que apostou na madrugada, só que mais cedo que a concorrente. Desde ontem, as 59 lojas espalhadas entre capital paulista, Baixada Santista e interior do Estado de São Paulo passaram a funcionar 24 horas. O programa dia e noite se encerra às 20h do dia 24.Neste ano, o único shopping que aderiu à maratona foi o Internacional de Guarulhos, que pertence ao grupo General Shopping. Das 10h do dia 23 até às 18h do dia 24, as 300 lojas do centro de compras, entre as quais estão C&A, Renner, Riachuelo, por exemplo, estarão abertas. Ao todo serão 32 horas de funcionamento."Nossa expectativa é ampliar em 13% o número de visitantes em relação ao mesmo período do ano passado", afirma o diretor de Marketing e Varejo do General Shopping, Alexandre Dias. Ele explica que não há diferenças entre o valor da compra feita durante o dia e na madrugada. A intenção é trazer mais consumidores às compras e ampliar os volumes vendidos. O tíquete médio das compras neste Natal oscila entre R$ 80 e R$ 100, o mesmo de 2007. Dois anos atrás, essa estratégia de virar a madrugada com as lojas abertas foi usada por um grande número de shoppings que não repetiram a dose nos anos seguintes. Segundo analistas, o custo trabalhista, com pagamento de adicional noturno, não compensou o acréscimo nas vendas. Neste ano, a disputa entre as redes pelo bolso do consumidor ficou mais acirrada e as companhias ressuscitaram a estratégia.O Ponto Frio, no entanto, fez uma jogada de marketing para se enquadrar no comércio dia e noite, só que não irá abrir as lojas ininterruptamente. A empresa, que é vice-líder nos segmento de eletroeletrônicos e móveis atrás das Casas Bahia, anuncia "72 horas insanas de Natal". Na prática, trata-se de apenas uma campanha publicitária que começou ontem nas lojas da rede e oferece facilidade de parcelamento em até 10 vezes sem acréscimo, condição que estava fora de uso para a maioria dos itens. A companhia informa que serão ofertados milhares de produtos, entre eletrodomésticos, móveis, computadores e TVs.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.