Grandes redes de varejo temem ficar sem produtos

Grandes redes de varejo de artigos têxteis advertem que, se não houver liberação imediata das licenças de importação, a coleção de inverno estará comprometida. Segundo o presidente da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (Abeim), Sylvio Mandel, cerca de 20% dos artigos de vestuário de inverno são importados. Neste momento, apenas a metade das mercadorias de inverno importadas foram desembaraçadas na alfândega. "Se as licenças atrasarem, não teremos mercadorias para colocar nas vitrines", diz o presidente da entidade, que representa oito grandes redes de lojas do setor.Mandel conta que ele e os empresários do setor foram surpreendidos com decisão do governo de submeter as compras externas às licenças de importação. "Fomos pegos de calças curtas." Preocupado com as medidas, Mandel procurou ontem o Ministério da Indústria e Comércio e não encontrou um interlocutor, já que o ministro Miguel Jorge não estava no País. "A decisão do governo é um retrocesso. Lembra o período anterior ao presidente Collor, quando a economia brasileira era fechada", afirma o presidente da Associação Brasileira de Supermercados, Sussumu Honda. Assim como o presidente da Abeim, ele soube da medida pela imprensa.Mandel acha que o atraso no desembaraço será líquido e certo, uma vez que o governo, segundo ele, não tem estrutura para liberar esse grande volume de produtos. "Já havia gargalos na liberação das licenças quando a obrigatoriedade era restrita a determinados itens."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.