Grãos voltam a subir na CBOT; soja cai quase 7% na semana

Os contratos futuros dos grãos subiram nesta sexta-feira, se recuperando das quedas na sessão do dia anterior na bolsa de Chicago.

Reuters

21 de setembro de 2012 | 18h28

Os futuros da soja terminaram em alta, após serem negociados em baixa durante alguns momentos da sessão volátil.

A soja retornou ao território positivo alguns minutos antes do encerramento das negociações, com operadores ajustando suas posições antes do final de semana, a expansão da colheita nos EUA, e vendas técnicas.

Apesar da alta, o início do plantio da soja no Brasil e estimativas da consultoria Informa de uma maior área plantada de soja nos EUA em 2013 ajudaram a pressionar o mercado.

O contrato referência da oleaginosa ganhou 6 centavos, e terminou a sessão cotado a 16,2475 dólares por bushel.

Na semana, a soja acumulou perdas de 6,8 por cento, a maior perda semanal em um ano.

O milho terminou o pregão firme, com ajustes de posição dos operadores antes do final de semana, mas acumulou perdas na semana, registrando queda de 4,2 por cento desde segunda-feira.

O contrato dezembro da commodity subiu 3 centavos, terminando a sessão cotado a 7,49 dólares por bushel.

A consultoria privada Informa Economics estimou a área com milho em 2012 em 97,172 milhões de acres, acima da projeção atual do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), de 96,4 milhões, afirmaram fontes do mercado nesta sexta-feira.

O trigo terminou em alta a sessão, com rumores de que a Rússia, importante produtor, irá limitar suas exportações aumentando expectativas de uma alta na demanda por trigo norte-americano, disseram traders.

O dezembro do trigo fechou com alta de 19,50 centavos, cotado a 8,99 dólares. Na semana, registrou queda de 2,7 por cento, interrompendo sequência de 3 semanas seguidas de altas.

(Reportagem de Mark Weinraub, Sam Nelson e Julie Ingwersen)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSFECHACBOTGRAOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.