Reuters
Reuters

Grécia acredita em novo acordo até o fim da semana

Governo grego apresenta nesta quinta-feira o pedido formal para prorrogação do programa de resgate

O Estado de S. Paulo

18 Fevereiro 2015 | 12h02


Texto atualizado às 22h05

O ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, disse nesta quinta-feira, 18, que as conversas com os credores europeus estão mostrando progressos e que um acordo para um novo programa de crédito poderá ser concluído até o fim da semana. O atual programa, que termina no dia 28 de fevereiro, chega a US$ 240 bilhões.

Falando a jornalistas fora da sede do Parlamento grego, Varoufakis afirmou que o acordo está tomando forma passo a passo e que a Grécia vai apresentar nesta quinta o pedido formal para a prorrogação do programa.

O alongamento daria mais tempo ao novo governo para renegociar os termos e as medidas de austeridade impostas pelo programa atual. “Estamos no caminho certo; as consultas mostram todos os sinais de que haverá um acordo”, disse.

Ainda de acordo com o ministro, o pedido da Grécia deverá ser discutido nesta quinta em uma reunião técnica de altos funcionários dos países da zona do euro. Já os ministros das Finanças da região têm uma nova reunião marcada para sexta.

A União Europeia insiste para que o país peça uma prorrogação nos termos atuais. Mas o novo governo grego, eleito em janeiro com a promessa de reverter algumas das medidas de austeridade exigidas pelos credores, diz que busca não uma prorrogação do programa de ajuda, mas um programa de crédito sob condições diferentes. 

Outro executivo da União Europeia afirmou que um rascunho do pedido de extensão foi enviado à Atenas na terça-feira. No documento, as expressões “atual programa”, que até agora esteve em todas as versões do Eurogrupo, e “extensão do acordo de empréstimo” foram eliminadas. 

A nova proposta também incluiria o termo “novo arranjo” entre Grécia e seus credores internacionais. Ela ainda poderia incluir o termo “flexibilidade”, caso Atenas concorde com o resto da redação.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, tem ironizado sugestões de que Atenas poderia negociar uma extensão do financiamento sem fazer promessas de cortes no orçamento e reformas econômicas.

Ele indicou, porém, que pode haver alguma possibilidade de um acordo. “A nossa margem de manobra é limitada”, disse, durante um debate em Berlim, acrescentando: “Temos de ter em mente que temos uma enorme responsabilidade para manter a Europa estável”.

Empréstimo. Enquanto as conversas sobre o programa de resgate ainda estão em andamento, o Banco Central Europeu aprovou uma linha de crédito de  68,3 bilhões para os bancos gregos, segundo uma fonte próxima à negociação. O empréstimo, denominado instrumento de assistência emergencial de liquidez (ELA, na sigla em inglês), terá prazo de duração de duas semanas. Caso os bancos gregos necessitem de mais fundos antes do fim deste período, o BC da Grécia terá de informar o BCE, que por sua vez pode recusar o novo pedido.

O ELA se tornou a principal fonte de financiamento para os bancos gregos depois que o Banco Central Europeu decidiu não mais aceitar títulos da dívida da Grécia ou de entidades governamentais do país como garantias para obter crédito. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Mais conteúdo sobre:
greciaAlexis Tsipras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.