Grécia anuncia corte e fusão de órgãos públicos

O governo grego anunciou ontem que vai fundir ou cortar 21 órgãos estatais para reduzir os gastos públicos solicitados por seus credores internacionais. A medida foi anunciada no momento em que uma missão da troica - formada por Conselho Europeu, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) - visita o país para verificar o andamento das reformas previstas no acordo de resgate.

ATENAS, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2012 | 03h07

As entidades que passarão pela reforma empregam um total de 5.526 trabalhadores e respondem por 40 milhões dos gastos públicos, segundo informações do Ministério de Reforma Administrativa do país.

De acordo com o anúncio do ministério, parte dos funcionários desses 21 órgãos será transferida para outros setores públicos e não haverá demissões. Isso mantém a promessa do governo de coalizão, de não demitir nenhum funcionário público, mas pode violar promessas anteriormente feitas à troica.

Os 21 órgãos serão reduzidos para 9. Essa é a primeira ação da reforma que vai fundir ou fechar pelo menos 200 órgãos estatais com o objetivo de reduzir os gastos públicos.

De acordo com o último programa de resgate, a Grécia precisa reduzir 15 mil funcionários públicos até o fim deste ano. No entanto, esforços anteriores que previam a demissão de 30 mil trabalhadores, ficou muito aquém das metas. No final, a redução foi de apenas mil trabalhadores e outros nove mil tiveram a aposentadoria antecipada.

As promessas anteriores da Grécia para fechar órgãos estatais desnecessários também ficou abaixo do esperado pela troica. Até o momento, o governo grego iniciou o fechamento de dezenas de órgãos públicos em um universo de mais de 120 candidatos. / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.