Grécia deve pressionar por reformas ou terá desastre--BC grego

A Grécia, endividada, deve pressionar para levar adiante as reformas prescritas por seus credores internacionais ou enfrentará consequências dramáticas, afirmou o presidente do banco central grego em entrevista.

REUTERS

24 de setembro de 2011 | 15h02

A União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) expressaram impaciência quanto ao ritmo lento com o qual a Grécia tem implementado medidas para se adequar a seu plano de resgate, e agora Atenas tem a intenção de persuadi-los em relação a seu comprometimento com a execução de suas obrigações.

"Ou procedemos imediatamente com a implementação substancial de reformas estruturais e controlamos a dinâmica da dívida ou enfrentaremos desdobramentos dramáticos", disse George Provopoulos, também membro do conselho do Banco Central Europeu (BCE), ao Sunday Real News.

"Temos que quebrar esse círculo vicioso. Temos que nos focar em reformas radicais no setor público, para eliminar os fatores que constantemente geram déficits e dívida", disse.

Provopoulos disse que, caso a Grécia não implemente as reformas, os mercados permanecerão desconfiados.

(Reportagem de Renee Maltezou)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROGRECIAREFORMAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.