EMMANUEL DUNAND/AFP
EMMANUEL DUNAND/AFP

Grécia diz que pagará FMI na 5ª-feira

Decisão foi tomada após reunião entre o ministro da Economia da Grécia, Yanis Varoufakis, e a diretora do FMI, Christine Lagarde

ANDREI NETTO, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2015 | 02h03

PARIS - O governo da Grécia vai reembolsar na quinta-feira, dia do vencimento, a primeira parcela do empréstimo oferecido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). A garantia foi dada pelo ministro da Economia da Grécia, Yanis Varoufakis, que assegurou o reembolso ao final de uma reunião com a diretora-gerente do fundo, Christine Lagarde. Os € 458 milhões são relativos aos dois programas de socorro concedidos pela Comissão Europeia, pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelo FMI em 2010 e 2012.

Até aqui pairava na Europa a dúvida sobre se Atenas honraria o compromisso, o primeiro de uma série de pagamentos que precisam ser feitos em 2015. Ha 10 dias, uma carta enviada pelo primeiro-ministro Alexis Tsipras às autoridades europeias lançou dúvidas sobre a capacidade do governo de honrar seus compromissos de curto prazo. A incerteza também vinha sendo alimentada por Bruxelas, que recusou os detalhes das reformas propostas pela Grécia até aqui.

Sem o acordo, Atenas corre contra o relógio, já que o sistema financeiro grego enfrenta a gangrena. Desde a eleição de Tsipras, mais de € 30 bilhões em depósitos foram retirados dos bancos por seus correntistas, o que deixa as autoridades monetárias locais nas mãos do Banco Central Europeu (BCE).

As negociações em torno das reformas que serão empreendidas pela Grécia têm como objetivo convencer Bruxelas de que Atenas cumprirá seus compromissos futuros se renegociar a dívida com a UE.

Uma nova reunião do fórum de ministros das Finanças da zona do euro está marcada para amanhã, véspera do prazo para o reembolso. "Nós concordamos que a incerteza não é do interesse da Grécia e saúdo a confirmação do ministro de que a transferência de fundos será realizada em 9 de abril", afirmou Christine Lagarde, em Washington, no domingo. "O governo tem a intenção de respeitar todas as suas obrigações financeiras", disse Varoufakis.

Contradição. A confirmação da parte do ministro contradiz o alerta lançado por Tsipras em 15 de março, no qual advertiu as autoridades europeias de que a Grécia talvez não tivesse como honrar o pagamento ao FMI. Na semana passada, ministros gregos chegaram a afirmar que, entre reembolsar o FMI e pagar o funcionalismo, a segunda opção seria privilegiada.

Ao jornal Naftemporiki, Yanis Varoufakis afirmou que o objetivo de Atenas é chegar a um acordo preliminar sobre as reformas econômicas e administrativas a serem realizadas na Grécia até 24 de abril. "Será preciso chegar a uma conclusão preliminar na reunião do Eurogrupo de 24 de abril, conforme o acordo firmado em 20 de fevereiro", lembrou. "As negociações terão fim quando nós chegarmos a um acordo honroso, que oferecerá à economia grega a perspectiva de real estabilização e de um crescimento sustentável."

Em paralelo às negociações, Tsipras busca alternativas em caso de fracasso do diálogo com os credores europeus. O premiê parte amanhã para Moscou, onde se encontrará com o presidente da Rússia, Vladimir Putin. Nos bastidores europeus, a reunião foi interpretada como uma tentativa de Tsipras de estreitar laços entre os países para um eventual socorro da economia grega por Moscou em caso de "Grexit" - a saída da Grécia da zona do euro após um calote nos pagamentos.

Notícias relacionadas
    Mais conteúdo sobre:
    O Estado de S. PauloFMIGrécia

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.