Grécia espera que pacote de ajuda fique pronto até início de maio

Ministro de Finanças grego quer que as condições sejam aceitáveis para todos os parceiros da zona do euro 

Filipe Domingues e Danielle Chaves, da Agência Estado,

26 de abril de 2010 | 08h06

O Ministro de Finanças da Grécia, George Papaconstantinou, afirmou neste domingo esperar que os termos e condições finais do pacote de ajuda que o país receberá estejam prontos até o início de maio. Ele deseja, ainda, que as condições sejam aceitáveis para todos os parceiros da Grécia na zona do euro. No mesmo sentido, após reunião com Papaconstantinou, o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Khan, declarou que a instituição está acelerando os esforços para fornecer a ajuda financeira.

 

"Desde que recebemos a solicitação de suporte financeiro na sexta-feira passada, nossas discussões com as autoridades gregas se aceleraram", disse Strauss-Kahn ontem em um comunicado. "Estou confiante de que vamos concluir as negociações a tempo da necessidade da Grécia", completou.

 

Papaconstantinou também demonstrou acreditar em decisões rápidas. "Estamos todos confiantes de que isso será feito em tempo e que conseguiremos financiar a dívida pública da Grécia sem nenhum problema", comentou. "O início de maio é uma boa perspectiva."

 

O governo da Grécia pediu formalmente uma ajuda aos países da zona do euro e ao FMI na sexta-feira. O governo grego diz que tem dinheiro suficiente para cobrir as necessidades de abril, mas tem quase 9 bilhões de euros (US$ 12 bilhões) em vencimento de dívidas no próximo mês, incluindo 8,5 bilhões de euros em bônus que vencem no dia 19 de maio.

 

Os membros da zona do euro prometeram emprestar ao país até 30 bilhões de euros no primeiro ano de um programa de ajuda e o FMI deverá conceder mais 15 bilhões de euros. O pedido foi feito enquanto autoridades do FMI e da Comissão Europeia estavam em Atenas discutindo os termos e condições que acompanharão a ajuda. As negociações deverão terminar dentro de uma semana.

 

Entretanto, o ministro de Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble, declarou ontem ao jornal Bild am Sonntag que o governo da Alemanha - maior participante no pacote de ajuda - ainda não tomou sua decisão final. Mas não exigiu explicitamente nenhuma ação da Grécia como condição para o acordo. Papaconstantinou enfatizou que a Alemanha "está totalmente dentro do programa" que assinou com os parceiros da zona do euro em março e que exige uma decisão unânime dos chefes de governo do bloco. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciapacote de ajudamaio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.