AP
AP

Grécia leva Brasil a suspender emissão de título

Governo vai esperar mercado acalmar para lançar papéis da dívida; para economistas, crise tem pouco impacto no Brasil, mas pode trazer turbulência

Lorenna Rodrigues, Adriana Fernandes e Gustavo Porto , O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2015 | 02h07

A crise da Grécia deve levar à suspensão da emissão de títulos da dívida do Brasil no exterior, mas ainda tem efeitos "periféricos" no mercado doméstico. Integrantes da equipe econômica avaliam que, com a taxa de juros brasileira em patamar muito elevado, não se espera fuga dos estrangeiros por causa do aumento da aversão ao risco.Até agora, também não há nada que indique uma piora nas expectativas dos investidores nos papéis da dívida interna.

Já em relação ao mercado externo, a avaliação é que as condições estão se deteriorando. Na última semana, foi vista uma piora nas taxas de papéis de países emergentes no exterior.

O Tesouro brasileiro anunciou que pretende fazer pelo menos uma emissão externa neste ano. "Enquanto tiver essa confusão, o Brasil não vai (a mercado). Mas não tem pressa, não há necessidade de financiamento externo no momento", disse uma fonte da equipe econômica.

Economistas. Um eventual calote da Grécia terá pouco impacto na economia brasileira, mas pode provocar turbulências no mercado, segundo economistas ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

Para Carlos Kawall, economista-chefe do banco J. Safra, a Grécia não vai afetar diretamente o Brasil, mas as incertezas sobre o futuro do país provocam turbulências nos mercados.

"Medidas como o controle de capital, fechar bancos e um referendo no qual ninguém sabe direito o que perguntarão adiam o desfecho das questões", disse Kawall. "Mas os desfechos podem até não ser negativos, caso a população vote pela solução pedida pela UE e a Grécia permaneça na zona do Euro."

Segundo o analista de economia internacional da Tendências Consultoria, Silvio Campos Neto, a situação econômica brasileira é muito delicada e a crise grega pode ser uma questão a mais para complicá-la.

A decisão dos gregos pode exercer pressão no câmbio e nos juros, disse Silvio. Mas a contaminação seria bem menor do que se ocorresse há três anos, porque a Europa se preparou para a crise. 

Tudo o que sabemos sobre:
GréciaZona do EuroCarlos Kawall

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.