Grécia se torna mais competitiva, deve permanecer no euro--Juncker

A competitividade da Grécia melhorou bastante, seus custos trabalhistas caíram de maneira significativa e a zona do euro deve esforçar-se para manter o país como membro, afirmou nesta terça-feira o presidente do Eurogroup de ministros das Finanças, Jean-Claude Juncker.

Reuters

18 de setembro de 2012 | 11h11

"Não é que os programas (para a Grécia) têm sido inefetivos", disse Juncker à televisão da Bavária. "(Uma saída grega) do euro seria desastrosa para os gregos...a Europa como um todo seria enfraquecida também."

Alguns políticos na Alemanha e em outros locais têm sugerido publicamente que a Grécia, com uma forte carga de dívida e agora em seu quinto ano de recessão, poderia se dar melhor fora da zona do euro.

Juncker também disse que a zona do euro fará exigências "realmente duras" à Espanha sobre reformas estruturais e poupança orçamentária. Madri está sob pressão do mercado para pedir ajuda do fundo de resgate da zona do euro.

Juncker, também primeiro-ministro de Luxemburgo, disse que os planos para uma nova união bancária tinham que ser cuidadosamente preparados e, ecoando preocupações alemãs, acrescentou que é difícil visualizar como a nova entidade de supervisão pode, já de início, cuidar de todos os cerca de 6 mil bancos da zona do euro.

(Reportagem de Christian Kraemer)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROJUNCKERGRECIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.