AP
AP

Grécia usou reservas emergenciais no FMI para pagar dívida ao fundo, dizem fontes

Com Atenas em difícil situação financeira e sem acordo definido com credores, existiam dúvidas sobre se o governo de esquerda grego pagaria o FMI ou optaria por economizar dinheiro para pagar salários e aposentadorias

Reuters

12 Maio 2015 | 14h02

A Grécia esvaziou uma conta de depósito emergencial no Fundo Monetário Internacional (FMI) para pagar 750 milhões de euros devidos ao credor internacional, disse uma autoridade do banco central grego, evitando o default mas ao mesmo tempo salientando a situação difícil das finanças do país.

Com Atenas perto de ficar sem dinheiro e um acordo com seus credores ainda longe, existiam dúvidas sobre se o governo de esquerda pagaria o FMI ou optaria por economizar dinheiro para pagar salários e aposentadorias mais tarde neste mês.

Países-membros do FMI devem manter uma conta de depósito que pode ser usada para emergências, mas o dinheiro só pode ser utilizado com a aprovação do fundo, disse uma autoridade do banco central da Grécia.


Uma autoridade do governo disse à Reuters que Atenas usou cerca de 650 milhões de euros da conta de depósito e 100 milhões de euros de suas reservas em dinheiro para fazer o pagamento na segunda-feira.

O funcionário do banco central confirmou que a conta havia sido acessada após autoridades do governo terem se reunido com o presidente do banco central na semana passada para definirem como fazer o pagamento.

"O lado negativo é que a conta foi esvaziada, mas para evitar um default era necessário ponderar as opções", disse a autoridade do banco central grego.

Feito um dia antes, o pagamento aliviou temores imediatos de um default grego, mas o ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, afirmou na segunda-feira que a situação de liquidez é "terrivelmente urgente" e um acordo para liberar mais recursos é necessário nas próximas semanas.

Uma segunda autoridade grega disse nesta terça-feira que as reservas que o governo usou devem ser repostas na conta no FMI dentro de "várias semanas".

Mais conteúdo sobre:
gréciafmizona do euro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.