finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Greenhalgh defende, na OAB, mudança em regras de tributação

Em encontro com o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Busato, o candidato oficial do PT à presidência da Câmara, Luiz Eduardo Greenhalgh (SP), defendeu mudanças na Medida Provisória 232, que aumenta impostos para empresas de serviços e agricultores, e corrige a tabela do imposto de renda da pessoa física."Defendo mudanças na medida provisória. Acho que o governo deveria pensar em outro tipo de sistema (para compensar as perdas de arrecadação com ajuste da tabela do IRPF). Mas o fato da MP 232 ter gerado muita reação e o governo, pela primeira vez, ter retirado, ainda que por 30 dias, essa questão (adiamento dos efeitos da MP), já demonstra uma compreensão mais sintonizada do governo com a sociedade", disse Greenhalgh.O presidente da OAB disse que no encontro com a Frente Parlamentar dos Advogados houve "uma receptividade muito grande por parte da Frente para alterar a MP". "Os deputados do governo reconhecem que há um clamor popular contra a MP 232", afirmou Busato. Ele informou que a OAB criou uma comissão integrada por cinco tributaristas para estudar a medida provisória. "A primeira constatação foi de que essa MP não guarda o critério da urgência, porque há vários dispositivos que só vão vigir em 2006", observou Busato.Greenhalgh e mais dois parlamentares, que integram a Frente, tomaram café da manhã com o presidente e conselheiros da OAB. Ele explicou que a Ordem dos Advogados do Brasil é uma sociedade civil e, portanto, não pode dar apoio a candidatos à presidência da Câmara. "A OAB tem interesse em diversas matérias, que estão tramitando na Câmara, em especial a MP 232. Vim aqui dizer que podem contar comigo na tramitação de projetos de interesse dos advogados. Não vim pedir apoio à minha candidatura, porque há diversos advogados que apóiam diversos candidatos na Casa. Não submeteria o presidente da OAB a esse constrangimento", afirmou Greenhalgh.

Agencia Estado,

01 de fevereiro de 2005 | 11h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.