Greenpeace fecha postos de combustível da BP em Londres

O protesto foi programado para coincidir com a divulgação dos resultados trimestrais da empresa, que anunciou um enorme prejuízo e nomeou um novo executivo-chefe

Priscila Arone, da Agência Estado,

27 de julho de 2010 | 10h39

O grupo ambientalista Greenpeace fechou dezenas postos de combustível da British Petroleum (BP) em Londres neste terça-feira, 27, um protesto programado para coincidir com a divulgação dos resultados trimestrais da empresa, que anunciou um enorme prejuízo e nomeou um novo executivo-chefe.

Cerca de 75 ativistas tomaram simultaneamente cerca de 46 postos em toda a capital britânica nas primeiras horas da manhã, segundo John Sauven, diretor executivo do Greenpeace U.K. Os ativistas removeram imediatamente os sistemas de alimentação dos postos para impedir o funcionamento das bombas e a venda de combustível aos clientes, disse Sauven. O protesto deve ser encerrado mais tarde, nesta terça-feira.

Um porta-voz da BP, porém, disse que apenas 35 locais foram atingidos e que alguns dos postos estavam vendendo comida, mas não combustível.

Durante os protestos, os voluntários substituíram o logo da BP, um girassol verde de amarelo, por uma ilustração que mostra a flor afundando num mar de petróleo.

"Nós queremos usar esta oportunidade para fazer a BP pensar sobre a direção que a companhia está tomando além do anúncio de troca de seus dirigentes, perdas catastróficas e acordos de aposentadoria não confiáveis", afirmou Sauven.

O protesto foi realizado no dia em que a BP anunciou formalmente seu novo executivo-chefe, Bob Dudley, em substituição a Tony Hayward, que deixa o cargo após perdas recordes derivadas do vazamento de petróleo no Golfo do México.

O Greenpeace desconsiderou a mudança na direção. "Tudo bem trocar Tony (Hayward) por Bob (Dudley) e antes foi John (Browne), mas mudar o executivo-chefe não muda a situação da companhia."

Os voluntários do Greenpeace pretendem realizar o protesto contra a BP por apenas um dia e deixaram claro que ele não tem como alvo algumas das franquias que administram postos de combustível da BP. "Este não é um protesto contra as franquias, mas contra a BP", disse Anna Jones, voluntária de 29 anos que chegou a um posto da BP em Camden, norte de Londres, às 5h30 e era responsável pela substituição do logo da empresa.

"O logo verde não reflete de forma apropriada a empresa e é hora de eles admitirem que estão indo na direção errada", disse ela.

Até o meio-dia ninguém havia sido preso e a BP informou que ainda não tinha definido se pretende fazer acusações contra os manifestantes. "Estamos trabalhando em conjunto com a polícia para determinar novas ações (contra o Greenpeace). Nossa prioridade é a segurança de nossos funcionários e clientes e garantir que os locais estejam operando totalmente o mais rápido possível", disse um porta-voz da BP.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.