Greenpeace retira transgênicos do mercado

O Greenpeace denuncia ter encontrado mais quatro produtos com componentes transgênicos - sopão de galinha da Knorr, sopa de galinha Pokemón da Arisco, Ovomaltine cereais e fibras da Novartis e mistura para bolo de chocolate da Sadia. Os testes, realizados pelo laboratório suíço Interlabor, detectaram traços de menos de 1% de soja e milho transgênicos nos produtos.Em ação pacífica, três ativistas do Greenpeace visitaram o supermercado Pão de Açúcar, em Pinheiros, na manhã de ontem, retirando das prateleiras os produtos dos lotes testados. As mercadorias foram colocadas em um carrinho e lacradas com tela de arame e cadeados. As chaves dos cadeados e o laudo dos testes foram entregues para a Vigilância Sanitária. Técnicos do órgão começaram a analisar o laudo, mas adiantam que o documento está incompleto. Até as 17 horas de ontem, o Greenpeace não tinha fornecido as informações que faltavam.As empresas denunciadas garantem que não usam transgênicos. A Sadia informou que recolherá o lote de seu produto. Trinta amostras serão analisadas por um laboratório no exterior. A Novartis está "desapontada com o Greenpeace". "Nossa política é eliminar o uso de transgênico e garantir produtos seguros para o consumidor", afirma o vice-presidente de comunicação Sheldon Jones. A assessoria de imprensa da RMB, responsável pelas marcas Knorr e Arisco, negou que a empresa use transgênicos. Segundo a assessoria de imprensa do Grupo Pão de Açúcar, os quatro produtos não serão mais comercializados pela rede em todo o País. A conduta da empresa é não trabalhar com transgênicos, até que a questão seja normatizada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.