Greenspan avalia que inflação não é preocupação no curto prazo

O presidente do Federal Reserve (banco central dos Estados Unidos), Alan Greenspan, afirmou que a inflação, provavelmente, não será uma ameaça séria para a economia dos EUA no curto prazo, apesar do crescimento rápido do emprego e dos estoques das empresas nesse ano. "Nossa visão geral é que as pressões inflacionárias não são, provavelmente, uma preocupação séria no período vindouro", afirmou.Greenspan declarou que esse quadro permitirá ao BC norte-americano elevar a taxa de juros em um ritmo comedido nesse ano, embora o Fed esteja preparado para subir as taxas de maneira mais agressiva, caso as expectativas de inflação amena se mostrem errôneas. Ele disse ainda que os preços altos do petróleo ainda não estão afetando a política monetária.O governo divulgou hoje que o índice de preços aos consumidores (CPI) norte-americanos subiu, em maio, 0,6%, o ritmo mais acelerado em três anos. Mas o núcleo do CPI ? sem a influência de pressões sazonais - subiu 0,2%, desacelerando-se após a alta de 0,3% de abril. Também informou que os estoques das empresas cresceram 0,5%, para um novo recorde de US$ 1,2 trilhão, em abril.Curto prazo para a economiaO presidente do Fed descreveu o desempenho da economia norte-americana durante os últimos anos como "o mais impressionante", mas optou por não discutir as perspectivas da inflação ou das taxas de juro do país. Ele disse que as autoridades monetárias merecem crédito por terem defendido a economia norte-americana contra uma variedade de choques nos últimos anos.SabatinaGreenspan participa hoje de sabatina no Comitê Bancário do Senado. Trata-se de um procedimento habitual após Greenspan ter sido nomeado pelo presidente dos EUA, George W. Bush, para seu quinto mandato à frente do BC norte-americano. Greenspan está na presidência do Fed desde 1987. Se for confirmado no cargo pelo Senado, deverá permanecer no controle do Fed até janeiro de 2006, quando seu mandato como membro do conselho do Fed expira.As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.