Grendene dispara 11% no 1º dia na Bovespa; Xuxa abre negócios

As ações da Grendene estrearam hoje na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) cotadas a R$ 34,41. O valor corresponde a uma valorização de 11% frente ao preço do lançamento inicial de ações, a R$ 31,00. Até 10h30, quase 400 negócios com os papéis já haviam sido realizados na Bovespa e o volume de negócios já superava R$ 22 milhões. Até este horário, a cotação máxima ficou em R$ 34,65 (11,77%) e a mínima, R$ 34,30 (10,65%).O lançamento das ações da Grendene são feitas dentro dos parâmetros do Novo Mercado. Trata-se de um segmento da Bovespa destinado à negociação, em sistema separado, das ações de empresas que atendam a um conjunto de exigências com relação a normas de boa governança corporativa, transparência na divulgação de informações e relacionamento com os acionistas minoritários.O objetivo do Novo Mercado é atrair maior número de investidores, nacionais e internacionais, e aumentar os negócios na Bolsa. Este ano, no Novo Mercado, já abriram o capital a Natura, ALL e Gol.A forte alta das ações da empresa na abertura dos negócios demonstra o interesse dos investidores pelos papéis. A Grendene agradou aos analistas por alguns pontos diferenciais de seu perfil.A empresa conta com incentivos fiscais federais e estaduais obtidos há 13 anos, quando transferiu suas atividades do Rio Grande do Sul para o Ceará. O faturamento é divido em várias áreas de atuação, enquanto da sua principal concorrente em Bolsa, a Alpargatas, é concentrada no segmento de sandálias, com a marca Havaianas.Participação especialUm desfile de moda marcou o primeiro dia de negócios da Grendene na Bovespa. A apresentadora Xuxa (foto) encerrou o desfile e abriu os negócios com papéis da companhia. "Que show, hein !", afirmou o presidente da Bolsa, Raymundo Magliano. "Nunca vi tanta gente, tantos fotógrafos aqui no pregão, o mercado de capitais está realmente humanizado", afirmou o presidente, antes de lançar o "pique pique (tradicional nos aniversários)" para a Grendene.O diretor vice-presidente da empresa, Pedro Grendene, afirmou que hoje a companhia não é só mais dele e de seu irmão Alexandre. "Hoje a empresa é também do público e dos investidores, a quem daremos toda a dedicação."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.