Denny Cesare/Cógido19
Denny Cesare/Cógido19

Greve: após fracasso com líderes nacionais, governo procura coordenadores locais

Representantes de Brasília estão procurando coordenadores de bloqueios das principais rodovias, como aquelas que dão acesso às refinarias da Petrobrás

Fernando Nakagawa, Tânia Monteiro e Júlia Lindner, O Estado de S.Paulo

27 Maio 2018 | 18h22

BRASÍLIA - Sem conseguir acabar com a greve dos caminhoneiros ao negociar com lideranças nacionais, o governo passou a procurar coordenadores regionais para tentar resolver o problema. O esforço começou ainda na sexta-feira, 25. A estratégia tenta liberar rodovias estratégicas e permitir a retomada do trânsito em vias usadas para transporte de cargas consideradas essenciais, como combustíveis, medicamentos e produtos químicos para tratamento de água e esgoto.

+++ AO VIVO: Acompanhe a greve dos caminhoneiros em tempo real

Após a frustração com o acordo firmado na quinta-feira, 24, com líderes nacionais que foi completamente ignorado nas estradas, o Palácio do Planalto decidiu abrir diálogo com coordenadores específicos do movimento. A ação foca especialmente nos motoristas que estão à frente dos pontos de protesto com maior resistência ou considerados estratégicos pelo gabinete de monitoramento criado pelo governo federal.

++AGU orienta PRF a aplicar multas que chegam a R$ 100 mil por hora

Emissários de Brasília procuraram, por exemplo, coordenadores de bloqueios nas vias que dão acesso às refinarias da Petrobrás e também para liberar estradas necessárias para manter o fornecimento de insumos médicos, como oxigênio e gás, ou químicos para tratamento de água, como oxidantes, coagulantes, alcalinizantes, desinfetantes e fluoretantes.

++Governo estuda entrar na Justiça para barrar greve de petroleiros marcada para quarta-feira

Entre as refinarias da Petrobrás, há relatos de coordenadores procurados por emissários do Planalto em unidades como Paulínia (SP), Duque de Caxias (RJ), Alberto Pasqualini (RS), Gabriel Passos (MG), Landulpho Alves (BA), Lubnor (CE) e Abreu e Lima (PE). 

++No WhatsApp, caminhoneiros dizem que greve está longe do fim

Alguns desses coordenadores foram até convidados para uma reunião em Brasília e o Palácio do Planalto cogitou facilitar o transporte aéreo aos participantes para que o encontro pudesse ocorrer mais rapidamente. O encontro, porém, não foi realizado. Mesmo assim, o governo mantém contato com as lideranças por telefone.

++Motoristas de carros com GNV aproveitam maior demanda por corridas de app

Em alguns locais, a estratégia gerou algum resultado positivo nas primeiras horas, como a liberação de alguns caminhões - ainda que com escolta da polícia ou até das Forças Armadas - para transporte de combustível em situações críticas, como a oferta de querosene de aviação para o Aeroporto de Viracopos, em Campinas, ou o Aeroporto de Brasília.

++Vans escolares marcam paralisação nesta segunda-feira

A ação, porém, tem se mostrado limitada. Apesar de todo o esforço, o fornecimento de combustível para o Aeroporto de Brasília ocorreu apenas no sábado, 26, e foi suficiente para manter a operação apenas por algumas horas. Sem novas entregas de querosene, os tanques do maior aeroporto do Centro-Oeste secaram e o terminal da capital do País voltou a ficar sem combustível na tarde deste domingo, 27. Houve até iniciativa para novo carregamento neste domingo, mas a operação não conseguiu ser realizada até o fim da tarde.

Greve dos Caminhoneiros AO VIVO

Acompanhe aqui outras notícias sobre a greve dos caminhoneiros minuto a minuto

 

Mais conteúdo sobre:
greve caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.