Greve atinge 75% dos funcionários do BC, informa sindicato

A greve retomada nesta quarta-feira pelos funcionários do Banco Central atinge 75% dos 4.600 empregados da instituição nas dez regionais da instituição em todo o País. A informação foi divulgada na manhã desta quarta-feira pelo presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários Banco Central (Sinal), David Falcão, que não descarta transtornos para o mercado financeiro durante a paralisação, com duração prevista de 48 horas."A preocupação é que não haja prejuízo para a população. A greve deve, porém, causar alguma dificuldade ao governo e ao sistema financeiro", disse à Agência Estado, acrescentando que, em Brasília, menos de 20% dos funcionários estão trabalhando, para manter serviços essenciais.A Assessoria de Imprensa do BC não confirmou e nem desmentiu a informação, limitando-se a dizer que, no final da tarde, deve divulgar um balanço sobre a greve, que já estaria impedindo a atualização de dados sobre moedas estrangeiras no Sisbacen - sistema de comunicação do BC com o mercado financeiro.ReivindicaçõesA categoria protesta contra o "desmonte crescente da instituição", iniciado, segundo o Sinal, pelo governo Fernando Collor de Mello. Exige também a reabertura imediata das negociações em torno da pauta salarial entregue há três meses. Os funcionários do BC pleiteiam "reajuste emergencial" de 15% para os salários e querem negociar a recomposição de perdas desde 1998 que, conforme alegaram, ultrapassam 57%.As manifestações começaram com uma paralisação parcial de advertência, por três horas, no dia 10 de agosto, quando a assembléia dos trabalhadores aprovou o indicativo da greve de 24 horas realizada no dia 18. Alegando que não obtiveram resposta do BC, os servidores optaram por uma paralisação maior, de 48 horas, a partir de hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.