Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Greve no Banco Central: sindicato volta a falar em interrupção do PIX

Em nova nota publicada nesta segunda-feira, 4, presidente do sindicato afirmou que o PIX não é considerado um serviço 'essencial' e pode ser interrompido de forma parcial

Jessica Brasil Skroch, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2022 | 14h25

O Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) voltou a falar, em nota nesta segunda-feira, 4, que a greve poderá interromper parcialmente o Pix e a distribuição de moedas e cédulas. Os servidores iniciaram a greve na última sexta-feira, 1°, e cobram do governo um reajuste salarial de 26,3% e reestruturação das carreiras.

Representantes do Sinal terão reunião nesta terça-feira, 5, com o secretário de Gestão e Desempenho Pessoal do Ministério da Economia, Leonardo Sultani. 

Segundo o presidente do Sinal, Fábio Faiad, a greve dos servidores do BC será feita de forma "responsável, respeitando a lei dos serviços essenciais". Porém, segundo avaliação do sindicato, o Pix não se encontra dentro do escopo da lei e poderá ser afetado. 

A greve interrompeu a divulgação de indicadores selecionados (Indeco), que incluem o movimento de câmbio no Brasil, as operações cambiais do BC e o índice de commodities (IC-Br) - eles não serão divulgados nas datas previstas nesta semana que se encerra em 8 de abril. O Relatório de Poupança, que é publicado mensalmente, no quarto dia útil do mês, também será afetado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.