Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Greve no BC é mantida por tempo indeterminado a uma semana do Copom

Paralisação foi mantida com 80% de aprovação dos servidores; próxima assembleia ocorre na semana que vem, quando o Comitê de Política Monetária do Banco Central define o nível da taxa Selic

Thaís Barcellos    , O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2022 | 21h21

BRASÍLIA - Os servidores do Banco Central decidiram pela manutenção da greve, iniciada em 1.º de abril, por tempo indeterminado em assembleia nesta terça-feira, 7, segundo o presidente do Sindicato Nacional de Funcionários do Banco Central (Sinal), Fábio Faiad. A continuidade da paralisação foi aprovada por 80% dos votos. 

A próxima assembleia será na próxima terça, 14, em meio à reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que define o novo nível da taxa Selic no dia seguinte, 15.

Além disso, a categoria resolveu reduzir o pleito de reajuste, de modo a tentar avançar nas negociações nesta reta final, com o prazo de 2 julho para concessão de um aumento pelo governo. 

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) impede crescimento de despesa com pessoal nos 180 dias que antecedem o fim do mandato presidencial. Agora, a demanda é por reajuste de 13,50%, contra 27% antes, que representava a recomposição das perdas inflacionárias desde 2019.

Na última sexta-feira, os sindicatos que representam os servidores do BC foram informados de que não teriam aumento pelo presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, segundo Faiad. Campos Neto também avisou que iria enviar ao Ministério da Economia uma proposta de minuta com as pautas não salariais da categoria.

"Como o BC informou que só enviaria as propostas com as medidas não salariais, nós estamos aceitando aquilo, mas exigindo a parte salarial, com reajuste de 13,5%. Fizemos isso para tentar avançar nas negociações", disse o presidente do sindicato.

A pauta não salarial envolve a definição da carreira como típica de Estado, exigência de nível superior para o concurso para técnico do órgão, mudança do nome de cargo de analista para auditor e a criação da taxa de supervisão. 

A taxa seria paga pelo sistema financeiro para bancar o Orçamento do BC, como ocorre em outros países. Mas, segundo uma fonte, a expectativa de avanços é baixa.

Segundo uma fonte que participou da assembleia, os itens da parte não salarial têm impacto financeiro "baixíssimo" e podem ficar para 2023, mas com necessidade de colocar em lei já agora. "Então estamos insistindo nisso com a manutenção da greve. Alguns itens já foram acolhidos pela administração, mas ficou um resíduo que consideramos significativo." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.