Washington Alvez/Estadão
Washington Alvez/Estadão

Entidades de caminhoneiros prometem paralisação, mas adesão é incerta

Associações de caminhoneiros autônomos reclamam da remuneração do frete e dos custos mais altos com o óleo diesel

Isadora Duarte, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2021 | 21h04

Transportadores rodoviários e autônomos preveem interdição de rodovias e restrição da circulação de caminhões na paralisação nacional da categoria prevista para segunda-feira (1º), a fim de defenderem suas reivindicações, segundo representantes ouvidos pelo Estadão/Broadcast Agro. A adesão ao movimento, no entanto, ainda é incerta. 

O presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, conhecido como Chorão, afirma que a paralisação dos caminhoneiros deve ocorrer em todos os Estados do País.  Chorão não soube estimar quantos caminhoneiros estão dispostos a interromper as atividades a partir do dia 1º, mas diz que a adesão é "grande". "Já temos apoio de centrais sindicais e devemos ter da população também. Todo mundo está sofrendo com os preços dos combustíveis", afirmou. Chorão, que foi uma das principais lideranças da greve de 2018, garante que o movimento da próxima semana será semelhante ao de três anos atrás. "É o primeiro ato em que participamos desde lá e nos organizamos para isso."

A Abrava está à frente do movimento junto com o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) e com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL). Será a primeira vez que estas entidades estão juntas desde 2018. A insatisfação crescente com as promessas não cumpridas pelo presidente Jair Bolsonaro se tornou unanimidade na categoria - base eleitoral do presidente - e motivou a unificação da pauta após uma série de cisões. Eles estão em estado de greve desde o dia 16.

Segundo algumas lideranças, as manifestações se acentuaram especialmente na região de portos como o de Santos (SP), o do Rio e do Itajaí. O Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista e Vale do Ribeira (Sindicam) vai aderir à greve. Presidente da entidade, Luciano Santos, estima que os cerca de 2 mil associados do sindicato irão participar do movimento. "Aqui, temos 100% de adesão", disse Santos. O Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Carga a Granel de Santos, Cubatão e Guarujá (Sindgran), que movimentam basicamente grãos e fertilizantes e reúne 1,15 mil motoristas associados, não emitiu posição oficial sobre a greve, mas irá respeitar o movimento.

Os representantes dos caminhoneiros não descartam uma eventual concessão à greve, caso o governo cumpra às demandas da categoria. "A categoria continua aberta ao diálogo até às 23h59 do dia 31, mas o governo precisa dar alguma resposta concreta. Presidente e ministros tem de tomar alguma posição", disse Chorão. Ele não cita, contudo, a possibilidade de uma nova reunião com o Ministério da Infraestrutura, após um encontro marcado para ontem (28) ter sido cancelado. "Não vamos perder mais tempo conversando com o ministro Tarcísio, porque ele não resolve. Faz três anos que tem reunião e o ministro não faz entregas à categoria", afirmou.

Os principais pedidos são o cumprimento do piso mínimo do frete rodoviário, mudança na política de preço da Petrobras para combustíveis e aposentadoria especial a partir de 25 anos de contribuição, entre outros. A pauta completa foi enviada ao Palácio do Planalto e aos ministérios correlatos em ofício pela Parlamentar Mista dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas na semana passada. "Nós queremos o fim do preço de paridade de importação da Petrobras para combustíveis, que atrela os preços ao dólar. Não vamos abrir mão. A adesão à greve aumenta cada vez mais", pontuou o presidente do CNTRC, Plínio Dias.

Em relação ao congelamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre as vendas dos combustíveis pelos governos estaduais, os transportadores avaliam que a medida não atende a sua ampla pauta. "Agora que os governadores reduziram o ICMS, não tem mais quem o governo culpar. O congelamento temporário não vai aliviar muito no preço do diesel e no custo do transporte", avaliou Chorão. "A medida congela a menor parte do problema", analisou o diretor da CNTTL, Carlos Alberto Litti Dahmer.

Outras entidades são contrárias à greve

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), que congrega 800 mil caminhoneiros, diz que não identificou adesão de seus sindicatos e federações associados à greve. Segundo o assessor executivo da confederação, a entidade não orientará seus associados sobre aderir ou não ao movimento. "Consultamos nossa base por meio das federações e não há relatos de aderência à paralisação. Associados entendem que uma greve seria muito prejudicial para a categoria dos autônomos e à sociedade neste momento", disse Maues. Em nota, a CNTA disse que "compartilha da insatisfação crescente da categoria devido à precariedade das condições de trabalho e dos valores praticados na contratação dos serviços de frete" e que está trabalhando em diversos assuntos em conjunto com o governo e demais entidades relacionadas ao transporte rodoviário de cargas.

A Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Carga em Geral do Estado de São Paulo (Fetrabens-SP) e o Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Estado de São Paulo (Sindicam-SP) não irão aderir à paralisação. "A federação não vai para a rodovia e não orienta à greve, mas respeitamos quem queira fazer e vamos acompanhar o movimento e atender aos caminhoneiros associados no que for necessário", disse o presidente de ambas entidades, Norival de Almeida Silva Preto.

Os transportadores de combustíveis - chamados de tanqueiros - da Região Sudeste que paralisaram suas atividades na semana passada ainda avaliam eventual participação na greve dos caminhoneiros autônomos, segundo o presidente da Associação das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados do Petróleo do Rio de Janeiro (Associtanque-RJ), Ailton Gomes. O Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Sindtanque-MG) informou, em nota, que não vai participar do movimento.

A Confederação Nacional do Transporte, por sua vez, que representa as empresas do setor declarou em nota divulgada nesta semana que não "respalda qualquer movimento grevista" por parte dos transportadores autônomos. A declaração foi dada pelo presidente do CNT, Vander Costa, em reunião com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. "A CNT reafirmou que, com segurança, as transportadoras não irão parar e não haverá desabastecimento", disse a entidade, em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.