Greve de bancários continua em menos locais

A greve dos bancários continua, por tempo indeterminado, mas pelo segundo dia consecutivo diminuiu o número de locais - agências e postos - parados. Iniciada há uma semana a paralisação atinge 24 Estados.Em assembléia realizada esta tarde, cerca de 2.500 trabalhadores, segundo as contas do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região decidiram pela continuidade da greve.Em nota divulgada após a assembléia de hoje, o Sindicato dos Bancários reconhece a redução no número de agências e postos parados, mas justifica que isso ocorre em função dos "interditos proibitórios e da força policial" requeridos pelos banqueiros. "O número de locais parados hoje caiu um pouco - de 354 ontem para 296", registra o Sindicato.O interdito é um instrumento jurídico pelo qual os bancos reclamam o direito de propriedade, obrigando os bancários a retornar ao trabalho e os grevistas a permanecer longe das agências.O presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Luiz Cláudio Marcolino, considera o uso desse instrumento "uma truculência dos banqueiros e um desrespeito ao direito de greve dos trabalhadores". Os bancários reivindicam 25% de reajuste, um salário de participação nos lucros e resultados (PLR) e um salário a mais R$ 1.200. Os banqueiros oferecem 8,5 de reposição salarial.Brasília e Rio de JaneiroEm Brasília, a assembléia dos bancários decidiu manter amanhã. De acordo com o Sindicato dos Bancários de Brasília, todas as 120 agência do Banco do Brasil (BB) e da Caixa Econômica Federal (CEF) não abriram sua portas hoje. "É um quadro muito parecido com o de ontem", disse um porta-voz do sindicato.Nos bancos privados, a paralisação atingiu 70 das 100 agências espalhadas por todo o Distrito Federal. A CEF, por sua vez, diz que apenas 8% de suas agências em todo o Brasil não funcionaram hoje. No BB, a informação é de que a greve continuou parcial em capitais como Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Florianópolis, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife e Cuiabá.Um grupo de cerca de 100 bancários reuniu-se na tarde desta quarta-feira na Candelária no centro do Rio de Janeiro e fizeram uma assembléia en frente ao Tribunal de Justiça do Rio. Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários do Rio, Vinícius Assumpção, a greve continua por tempo indeterminado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.