Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Greve de trabalhadores da alfândega paralisa exportação de grãos da Argentina

As exportações de grãos e seus derivados da Argentina foram paralisadas nesta quinta-feira devido a uma greve nacional de quatro dias iniciada por trabalhadores alfandegários, que exigem melhores salários, disse que a Câmara de Atividades Portuárias e Marítimas (CAPyM, na sigla em espanhol).

REUTERS

18 de setembro de 2014 | 11h55

O protesto do Sindicato Único Aduaneiro da Argentina ocorre num momento em que os agricultores argentinos continuam a enviar grandes quantidades diárias de soja e milho para portos do país, visando às exportações.

A Argentina é um dos principais exportadores de alimentos. Com uma alta taxa de inflação, que analistas estimam que poderia chegar a 40 por cento este ano, as greves para reivindicar salários tornaram-se comuns no setor de exportação agrícola, causando sucessivos atrasos nos embarques de produtos.

"Não há atividade nos portos de grãos. Tudo o que é exportação e importação pelo oceano vai esperar quatro dias", disse à Reuters Guillermo Wade, gerente da CAPyM.

A Argentina é o principal fornecedor mundial de óleo e farelo de soja. Também é o quarto exportador global de milho.

O protesto dos trabalhadores aduaneiros afeta particularmente a zona portuária de Rosário, que inclui os distritos de San Lorenzo, Puerto General San Martín e Timbúes, por onde são embarcados cerca de 80 por cento das exportações agrícolas do país.

(Reportagem de Maximilian Heath)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSGRAOSARGENTINAGREVE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.