Greve dos auditores afetou pouco a balança comercial

A greve nacional dos auditores fiscais exerceu pouca influência negativa sobre o resultado da balança comercial, que em junho, segundo divulgou nesta segunda-feira o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), acumulou US$ 4,082 bilhões. A afirmação vem do presidente nacional do Sindicato dos Auditores Fiscais (Unafisco), Carlos André Nogueira.O número superou em 34,8% o resultado de US$ 3,028 bilhões de maio e ficou acima do teto das projeções dos analistas do mercado, que era de US$ 3,5 bilhões. Para o analista de comércio exterior Guilherme Loureiro, da Tendências Consultoria Integrada, este superávit da balança em junho surpreende pelo fato de resultar da previsão de um modelo sem greve. Para ele, é difícil fazer qualquer avaliação exata sem os dados abertos do MDIC, que só serão divulgados a partir das 15 horas, mas é provável que haja algum setor específico que tenha determinado o saldo acima do esperado.De acordo com o presidente da Unafisco, a greve dos auditores não explica sozinha a queda do superávit da balança há algumas semanas como também não justifica o retorno. "A greve tem um impacto muito limitado sobre o resultado da balança comercial", define Nogueira, acrescentando que 85% de todas as exportações e importações feitas pelo País são desembaraçadas sem qualquer tipo de fiscalização, contam com o benefício do instrumento conhecido no meio como "canal verde".De acordo com Nogueira, o que passa pelo crivo dos auditores fiscais é apenas 15% a 20% do volume nacional de comércio exterior e que, em algumas regiões, este porcentual é até menor. "E não tínhamos mesmo nenhuma intenção de prejudicar ninguém com a nossa greve. O que queríamos era a criação de uma tabela de plano de carreira", diz o presidente da Unafisco. A greve, que continua em vigor, segundo Nogueira, poderá ser encerrada ainda esta semana se algumas das reivindicações que não foram contempladas pela MP 302, editada na semana passada pelo presidente Lula, forem acertadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.