Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Greve dos bancários continua nesta sexta-feira

A greve dos bancários continua nesta sexta-feira, mas um acordo pode estar próximo. A categoria se reuniu hoje com ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Vantuil Abdala, para começar a costurar uma proposta de consenso com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), a ser discutida em um encontro entre as duas partes, mediado pelo ministro, previsto para segunda-feira. O encontro e iniciativa do presidente do TST, de se oferecer como mediador informal das negociações, agradou aos líderes sindicais e foi interpretada por eles como um sinal de que, caso os banqueiros rejeitem o diálogo e o tribunal seja obrigado a se manifestar, o fará em favor dos bancários. A greve, que já dura 17 dias, paralisa as agências bancárias em 24 capitais brasileiras. A estimativa da CNB-CUT é que cerca de 200 mil funcionários estejam de braços cruzados. PrejuízoAcostumados a serem atendidos dentro das agências, os idosos têm sido um dos principais grupos prejudicados com a greve. Segundo o presidente da Confederação Nacional dos Aposentados e Pensionistas (Cobap), João Rezende, cerca de 25% dos idosos com cartão eletrônico para sacar o dinheiro nos caixas automáticos têm dificuldades em usar o equipamento.Em um comunicado nesta quinta-feira, a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), hoje pediu esforços redobrados para garantir o atendimento e as instituições conveniadas com o INSS - 15 bancos privados, 10 estaduais e 4 federais - dispuseram-se a designar "atendentes dedicados aos beneficiários do INSS nas centrais telefônicas e reforçar o efetivo para orientá-los nos pontos de atendimento". Além disso, a Febraban reiterou que a rede de postos eletrônicos, equipamentos de auto-atendimento, centrais telefônicas e correspondentes bancários que cobrem todos os municípios do País também estarão disponíveis ao público, como estabelecimentos comerciais, agências dos Correios e casas lotéricas.Para os trabalhadores demitidos nos últimos 15 dias, as agências da Caixa Econômica Federal fechadas também são sinônimo de dificuldades, já que para sacar a indenização do FGTS e eventualmente dar entrada no seguro-desemprego é preciso apresentar os documentos numa agência. A assessoria da Caixa informou que ainda não tem uma estimativa de quantos pedidos deixaram de ser apresentados no período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.