finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Greve dos bancários continua sem alteração, diz sindicato

O presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região , Luiz Cláudio Marcolino, afirmou que a paralisação dos bancários, amanhã em seu 15º dia, não sofrerá alteração, sinalizando o descumprimento da liminar concedida pelo Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-SP), que reduz para 40% o porcentual de bancários que têm o direito de fazer greve por estabelecimento. O sindicato estuda agora entrar com um mandado de segurança no Tribunal Superior do Trabalho para cassar a liminar. Se o mandado for apresentado, a expectativa é de que o TST julgue o pedido no mesmo dia. A decisão de entrar com recurso será discutida em assembléia da categoria hoje, mas há uma tendência forte de sua apresentação.ContrapropostaEm contrapartida, o representante da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), Magnus Apostólico, evitou assumir um tom vitorioso, dizendo que a decisão do TRT atenderá aos consumidores. Agora, a Fenaban espera que o Sindicato apresente uma contraproposta para reabrir a negociação do dissídio da categoria. A proposta dos bancos, de um reajuste de 8,5%, foi rejeitada pelos bancários, que reivindicam um reajuste de 25%. Há mais de 20 anos o TRT não interfere na negociação entre bancos e bancários, que a cada ano chegam a um acordo sobre o reajuste da categoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.