finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Greve dos bancários em SP tem adesão de 18 mil no 1.º dia

580 locais de trabalho, sendo nove centros administrativos, fecharam as portas nesta quinta-feira, 19

Guilherme Waltenberg, da Agência Estado,

19 de setembro de 2013 | 18h27

SÃO PAULO - O primeiro dia da paralisação dos bancários contou com a adesão de 18 mil trabalhadores do setor, de um total de 140 mil, segundo balanço divulgado pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Além disso, informa a entidade, 580 locais de trabalho, sendo nove centros administrativos, fecharam as portas na região de São Paulo.

"A greve está na cidade toda e nas outras cidades da nossa base. Temos sete regionais, em todas houve paralisação e adesão, especialmente nos grandes bancos, que são 90% do setor. Para o primeiro dia, para nós, é considerado uma boa adesão. As articulações ainda estão ocorrendo. Amanhã certamente o número crescerá", disse a presidente do sindicato, Juvandia Moreira.

Os bancários pedem reajuste salarial de 11,93%, ou seja, 5% de aumento real além da inflação, participação nos lucros e resultado (PLR) de três salários mais R$ 5.553,15 e piso de R$ 2.860. Além disso, eles pedem o fim de metas abusivas e de assédio moral que, segundo a confederação, adoecem os bancários.

"Os bancos alegam que não podem atender nossas reivindicações por conta de uma economia com crescimento mais lento. Mas o setor bancário é o que tem a maior rentabilidade no País e teve um lucro no semestre de quase R$ 30 bilhões", rebateu Juvandia, reiterando que os bancos ofereceram reajuste de 6,1%, o que, na avaliação dela, não traria aumento real.

A partir desta sexta-feira, 20, a estratégia dos grevistas é focar mais nos centros administrativos e não nas agências.

Tudo o que sabemos sobre:
GRAVEBANCOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.