Greve dos Correios acaba em São Paulo

Os funcionários dos Correios da capital paulista e região voltam amanhã ao trabalho. Em reunião realizada hoje na praça da Sé, foi unânime a votação favorável ao encerramento da paralisação, aceitando a proposta do presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Vantuil Abdala, que propôs reajuste salarial de 8,5% retroativo a 1º de agosto, mais 3,61% em fevereiro e abono de R$ 800. Segundo o secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de São Paulo, Sorocaba e região, Carlos Alberto Pereira da Silva, os grevistas ficaram preocupados com o dissídio apresentando ontem pela estatal ao TST, que ofereceu aos empregados reajuste pelo IPCA, de 6,57%, e abono de R$ 400. "Ia ser grande a perda, então, para evitar, todos aceitaram a proposta do tribunal", afirmou ele. Os funcionários pediam aumento real de 20%, mais reposição salarial de 47% e correção pelo IPCA, além de cesta básica e vale-alimentação maiores. Começou às 17 horas uma reunião de conciliação entre os Correios e o Comando Nacional de Negociação dos Trabalhadores, no TST, em Brasília, que deve dar fim à paralisação.

Agencia Estado,

22 Setembro 2005 | 17h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.