Greve dos Correios chega ao fim em pelo menos 5 Estados

Sindicatos de SE, BA, SC, PB, São José dos Campos, no interior de SP, e Brasília aceitaram proposta da ECT

Giuliana Vallone, do estadao.com.br,

21 de julho de 2008 | 15h44

Os trabalhadores dos Correios em pelo menos cinco Estados, além do Distrito Federal, já decidiram, em assembléias nesta segunda-feira, 21, aceitar o acordo firmado com a empresa e encerrar a greve. Os sindicatos de Sergipe, Bahia, Santa Catarina, Paraíba, São José dos Campos, no interior de São Paulo, e Brasília votaram a favor da proposta apresentada no sábado, em reunião com o ministro das Comunicações, Hélio Costa.  A expectativa do secretário-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores em Correios (Fentect), Manoel Cantoara, era de que até o fim da tarde o acordo fosse aprovado por todos os grevistas. "Os sindicatos estão orientados pela Federação a aprovar o acordo. O pessoal já volta ao trabalho amanhã mesmo", disse Cantoara. O sindicalista calcula que em um prazo de, no máximo, 14 dias, o fluxo de entrega das correspondências já estará normalizado. A proposta prevê pagamento, em definitivo, de 30% do salário-base para 43 mil carteiros que trabalham na distribuição e coleta externa, a título de adicional de atividade, retroativo a junho de 2008. Aos demais empregados que trabalham na distribuição e aos atendentes em guichês de agências, a empresa continuará pagando o valor fixo de R$ 260.  Sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Salários de 2008, o assunto volta a ser discutido em agosto. Também foi acordado que não haverá descontos dos dias parados e que o crédito do vale-refeição/alimentação/cesta será feito após o encerramento da greve. Nesta segunda, o Ministério das Comunicações, a ECT e Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresa de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) encaminham o texto do acordo para homologação do Tribunal Superior do Trabalho (TST). (com Agência Brasil)

Mais conteúdo sobre:
GreveCorreios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.