Greve geral no Uruguai tem adesão de 80%, diz sindicalista

Sindicalistas do Uruguai estimam que 80% dos trabalhadores do país aderiram à greve de 24 horas convocada para protestar contra a política econômica do governo e pressionar por melhorias salariais. "Essa greve é a mais importante dos últimos anos e tem uma adesão de 80%", disse o sindicalista Jorge Castro, dirigente da Plenario Intersindical-Convención Nacional de Trabajadores (PIT-CNT), principal central sindical do país, que convocou a paralisação. O objetivo da greve é pressionar o governo a abrir uma discussão, ?ampla e urgente?, de políticas para estimular o emprego. De acordo com cifras oficiais, o desemprego atingiu 18,9% da população economicamente ativa no final de abril. A PIT-CNT defende que o governo adote uma estratégia de desenvolvimento e eleve o salário mínimo de 1.170 pesos (US$ 43,3) para 5.200 pesos (US$ 192,5).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.