Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Enrique Marcarian/Reuters
Enrique Marcarian/Reuters

Greve geral paralisa a Argentina e afeta voos

TAM cancelou 19 voos com partida ou desembarque no país vizinho - duas nesta segunda e 17 na terça-feira; na Gol, foram nove cancelamentos

Rodrigo Cavalheiro, correspondente, O Estado de S. Paulo

30 de março de 2015 | 20h12

Atualizado nesta terça-feira (31) às 15h10

Um protesto nacional contra um imposto sobre salários deixará nesta terça-feira, 31, a maior parte dos argentinos sem transporte público, abastecimento de combustível, bancos e coleta de lixo. Aderiram à paralisação os caminhoneiros, funcionários de trens, metrô, portos e aeroportos, razão pela qual viagens para e da Argentina devem ser suspensas.

A TAM informou o cancelamento de voos com partida ou chegada na Argentina: foram 2 voos nesta segunda e mais 17 da terça-feira dos aeroportos de Rosario, Córdoba e Buenos Aires (Ezeiza e Aeroparque). Apenas um voo foi reprogramado: o JJ8010, que saiu às 11h10, de Guarulhos, em São Paulo, rumo ao aeroporto Ezeiza, em Buenos Aires. 

Em nota, a companhia informou que os clientes afetados poderão remarcar a data da viagem para os próximos 15 dias sem qualquer custo, de acordo com a disponibilidade de assentos. Há também a possibilidade do passageiro realizar a mudança do destino, sem multas, sujeito às diferenças tarifárias correspondentes.

Já a Gol comunicou que dos quatorze voos programados para hoje, nove foram cancelados e cinco operaram normalmente. Segundo a companhia aérea, os clientes impactados estão sendo reacomodados em outros voos e aqueles que preferirem, poderão remarcar suas viagens sem taxas. A Aerolineas também informou que permite trocar sem custo passagens marcadas para terça e quarta-feira (veja abaixo a lista de cancelamentos).

Esse é o terceiro e mais amplo ato organizado nos últimos cinco anos contra o tributo que desconta entre 9% a 35% da renda, de acordo com a faixa salarial. Está isento quem ganha menos de 15 mil pesos (R$ 5,5 mil). Como os salários são corrigidos semestralmente ou anualmente pela inflação (23% por ano segundo o governo, 38% de acordo com consultorias independentes), o grupo de pagantes só cresce, uma vez que as categorias seguem iguais. 

“Essa distorção faz com que, para compensar a inflação, o trabalhador precise de um aumento nominal de 46%”, afirma o economista Jose Luis Spert, doutor pela Universidade de Buenos Aires.

Na capital argentina, devem funcionar apenas algumas linhas de metrô. Não haverá ônibus na cidade. “Estou de acordo com o movimento, pois cada vez nos descontam mais do salário”, disse Antonio Russo, motorista da linha 12, enquanto fazia uma de suas últimas viagens na tarde desta segunda. Russo usa dois ônibus e um trem para ir de San Isidro, na área metropolitana, até o início da linha. Acorda às 3 horas e chega às 5 horas ao trabalho, dirige até às 16h e chega em casa às 18h30. “Não devo sair, pois não tenho carro e sem transporte público não dá nem para passear.”

Além de toda a rede de ônibus de Buenos Aires, os trens que conectam a região metropolitana e as principais cidades também não funcionarão. Isso deveria aumentar a procura por táxis, mas a minoria saia às ruas. “Não vale a pena estar exposto a uma pedrada dos grevistas, ainda tenho dinheiro para comer”, afirmou o taxista José Antonio Martínez, de 55 anos, para quem o movimento “não levará a nada”.

 

O governo adiantou que não mudará as regras e tentou ontem minimizar o impacto da paralisação, negociando com os transportadores. “O Estado subsidia 70% do transporte público”, alegou o chefe de gabinete Aníbal Fernández para sensibilizar a categoria. Ele afirmou não haver razão para protestar. O ministro da Economia, Axel Kicillof, reforçou que não mexerá nas alíquotas e na faixa salarial isenta, uma vez que o imposto “só incide sobre quem ganha mais” e o teto foi reajustado há dois anos. Pela estimativa oficial, o imposto atinge apenas 11% dos assalariados, dado contestado pelos sindicatos. 

O líder de um dos grupos organizadores, a CTA, Pablo de Micheli, rebateu dizendo que os argentinos têm pelo menos “20 razões” para protestar contra o governo e ameaçou estender a greve para 36 horas se não houver acordo. A paralisação, que começou à meia-noite e durará um dia, foi organizada pelos principais sindicatos opositores do país mas, desta vez, teve adesão de alguns alinhados ao governo de Cristina Kirchner. 

Sem ter como chegar ao trabalho, e com cortes de rodovias e avenidas programados, mesmo os que não pertencem às categorias mobilizadas se conformaram com um feriado forçado. “Não devo abrir o açougue. Encaro como um feriado a mais, já estou acostumado”, afirmou com certa irritação Miguel Ansalto, de 68 anos, que já contava com vender menos em seu estabelecimento no bairro da Recoleta, em razão da proximidade da Semana Santa.

TAM:

Segunda-feira (30):

 - JJ9940 São Paulo/Guarulhos - Córdoba, (21h30)

 - JJ8002 Rio de Janeiro/Galeão - Ezeiza/Buenos Aires, (21h39)

Terça-feira (31):

- JJ9941 Córdoba - São Paulo/Guarulhos, (4h00)

 - JJ8023 Ezeiza/Buenos Aires - Rio de Janeiro/Galeão, (07h07)

 - JJ8014 São Paulo/Guarulhos - Aeroparque/Buenos Aires (7h15)

 - JJ8000 São Paulo/Guarulhos - Ezeiza/Buenos Aires (8h00)

 - JJ8130 São Paulo/Guarulhos - Rosário (8h30)

 - JJ8136 Assunção/Paraguai - Ezeiza/Buenos Aires (10h30)

 - JJ8009 Aeroparque/Buenos Aires - São Paulo/Guarulhos (11h05)

 - JJ8135 Ezeiza/Buenos Aires - Assunção/Paraguai (14h55)

 - JJ8005 Aeroparque/Buenos Aires - São Paulo/Guarulhos (15h05)

 - PZ723 Assunção/Paraguai - Ezeiza/Buenos Aires (15h25)

 - PZ722 São Paulo/Guarulhos - Ezeiza/Buenos Aires (17h25)

 - JJ8131 Rosário - São Paulo/Guarulhos (17h40)

 - JJ8019 Ezeiza/Buenos Aires - São Paulo/Guarulhos (17h45)

 - JJ8008 São Paulo/Guarulhos - Aeroparque/Buenos Aires (18h15)

 - PZ723 Ezeiza/Buenos Aires - São Paulo/Guarulhos (19h)

 - PZ722 Ezeiza/Buenos Aires - Assunção/Paraguai (21h30)

 - JJ8015 Aeroparque/Buenos Aires - São Paulo/Guarulhos (22h10)

 

Gol:

Terça-feira (31):

De Guarulhos (São Paulo) para Aeroparque (Buenos Aires):

G3 7680 | 8h15 – 10h50

G3 7682 | 12h20 – 15h

G3 7684 | 18h25 – 21h15

De Aeroparque (Buenos Aires) para Guarulhos (São Paulo):

G3 7681 | 11h50 – 14h35

G3 7683 |15h50 – 18h20

G3 7685 | 22h40 – 01:35

De Ezeiza (Buenos Aires) para Florianópolis (Santa Catarina):

G3 7691 | 16h35 – 18h30

De Florianópolis (Santa Catarina) para Ezeiza (Buenos Aires):

G3 7690 | 13h53 – 15h55

De Córdoba (Argentina) para Guarulhos (São Paulo):

G3 7611 | 3h50 – 6h50

Tudo o que sabemos sobre:
argentinagrevevoos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.