Greve na fronteira da Bolívia com o Brasil é suspensa

A greve realizada por moradores da fronteira da Bolívia com o Brasil foi suspensa hoje, após oito dias, por um acordo do Governo com os municípios da região, declarou à EFE o líder civil Edil Gericke. Os líderes do Comitê Cívico da província de Germán Busch propuseram a suspensão da greve, que havia sido iniciada há oito dias em defesa da permanência da empresa brasileira EBX. No entanto, anunciaram que esperarão 10 dias para que o Executivo de Evo Morales atenda às reivindicações da região."Decidiu-se pelo depósito de mais confiança no Governo, mas se mantém o estado de emergência até 15 de maio, quando iremos reiniciar as medidas se nossas demandas não forem atendidas", declarou Gericke.A solução para o conflito fronteiriço teve origem em um acordo doministro da Presidência, Juan Ramón Quintana, com prefeitos daregião para a execução de projetos que oferecerão postos deTrabalho.No entanto, o ministro não respondeu à proposta da província deGermán Busch para que a fábrica da siderúrgica MMX, filial dabrasileira EBX, passasse para as mãos de um consórcio de capitaisBolivianos.O Governo tem um prazo de dez dias para responder a uma propostapara que a indústria da MMX seja transferida para um consórcio decapitais bolivianos,a fim de que seja oferecido trabalho amoradores locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.